A capital dinamarquesa é um desses lugares que respira criatividade e inovação, ao mesmo tempo que é referência em temas como desenvolvimento sustentável e mobilidade urbana. A arquitetura em Copenhague, como não poderia deixar de ser, é fundamental na construção dessa cidade modelo para tantas outras.

É engraçado como nos dias de sol, ao caminhar pelas ruas e avenidas da cidade, se tem a impressão de que estão todos de férias. Um rápido olhar por aí revela muitas pessoas andando de bicicleta, correndo à beira do rio, passeando pelos parques e se deitando nos gramados, aproveitando o fim de tarde nas mesas das calçadas dos restaurantes ou até mesmo nadando nas águas do canal mais próximo!

Perceber como a arquitetura e a concepção do espaço público impactam (para melhor!) a qualidade de vida da população local é uma das coisas mais interessantes de uma viagem para cá. Pensando nisso, montei um roteiro por diferentes bairros e regiões para conhecer o melhor da arquitetura em Copenhague.

 

Indre By

Muitos conhecem esse distrito simplesmente como o centro de Copenhague, mas oficialmente ele se chama Indre By, que significa, em português, cidade interna. A origem do nome está relacionada ao passado de Copenhague como uma cidade fortificada: eram proibidas construções permanentes além dos limites da cidadela, até 1852, para não obstruir a linha de tiro dos canhões defensivos.

Coração histórico, geográfico e político de Copenhague, abriga as construções mais antigas, incluindo a clássica arquitetura aristocrática dos reis dinamarqueses e da sua nobreza. Em contraste com cartões-postais como as casinhas coloridas do canal de Nyhavn e com os típicos edifícios de tijolos vermelhos, estão construções de arquitetura arrojada, em sua maioria prédios, pontes e praças públicas.

Pela localização privilegiada, são muito fáceis de se conhecer, basta um rápido desvio de algumas das principais atrações da cidade.

 

Blox

É claro que o Centro de Arquitetura da Dinamarca (DAC) iria fazer bonito ao construir um edifício para abrigar a sua sede. Projetado pelo escritório dinamarquês OMA, o complexo tem uma infinidade de usos: espaços expositivos, escritórios e co-working, um café, uma livraria, uma academia de ginástica e um restaurante, além de vinte e dois apartamentos e um estacionamento público no subsolo.

Novo ponto de encontro cultural entre a orla do rio e a região central, chama a atenção, arquitetonicamente, por ser construído como uma ponte sobre uma das rodovias mais importantes da cidade.

Arquitetura em Copenhague: edifício Blox, do escritório OMA

Richard John Seymour, via OMA

 

Det Kongelige Bibliotek

A principal sede da Royal Danish Library, isto é, da biblioteca real nacional, está instalada em um edifício monumental conhecido como Black Diamond, devido aos seus ângulos irregulares e à sua brilhante cobertura exterior de granito preto.

Além de guardar a principal coleção da biblioteca, incluindo exemplares de todas as obras impressas na Dinamarca desde o século 17, o edifício também abriga o Museu Nacional da Fotografia, livraria, café, restaurante e uma sala de espetáculos.

Arquitetura em Copenhague: exterior do edifício Black Diamond   Arquitetura em Copenhague: interior do edifício Black Diamond

 

Operaen

A Copenhagen Opera House, projeto do arquiteto Henning Larsen e com colaborações de designers renomados como Per Kirkeby e Olafur Eliasson, foi inaugurada em 2005, após algumas controversas. Basta dizer que a obra foi concluída a um custo total de mais de 500 milhões de dólares, valor considerado o mais caro de uma casa de ópera já concluída.

São mais de 40 mil metros quadrados, distribuídos ao longo de quatorze andares – cinco deles subterrâneos. É um dos mais modernos espaços dedicados à ópera e ballet do mundo. Curiosamente, está situada justo em frente ao Palácio de Amalienborg, na margem oposta do canal.

Arquitetura em Copenhague: Opera House, do arquiteto Henning Larsen

 

Skuesphilhuset

Complementando as atividades da Operaen, a Royal Danish Playhouse, uma obra de 2008 do escritório Lundgaard & Tranberg Arkitekter, é um edifício dedicado às artes dramáticas. A programação é bastante diversa e as produções são de altíssima qualidade. Vale dar uma conferida aqui.

Arquitetura em Copenhague: Royal Danish Playhouse, do escritório Lundgaard & Tranberg Arkitekter

No verão, o terraço de madeira ao redor é um dos lugares preferidos dos dinamarqueses para aproveitar a orla. O restaurante Ofelia serve drinques e comidinhas nas mesas de fora, com ótima vista para a zona portuária.  

 

Arquitetura em Copenhague: Axel Towers, do escritório Lundgaard & Tranberg ArkitekterAxelborg

Dos mesmos arquitetos do edifício anterior, a torre Axel é um dos ícones no horizonte da capital dinamarquesa. É um edifício principalmente comercial, com escritórios, lojas e restaurantes (o TRIO, no décimo andar, é de um chef estrelado e tem uma vista incrível).

É possível perder bons minutos tirando fotos do exterior, com suas linhas curvas rodeando o conjunto de torres e o bronze metálico contrastando com o azul intenso das janelas. Logo ao lado do Parque Tivoli, um dos atrativos imperdíveis de Copenhague, vale uma passadinha rápida.

 

Cirkelbroen

Voltada exclusivamente para pedestres e ciclistas, a ponte circular projetada pelo artista islandês-dinamarquês Olafur Eliasson é uma homenagem ao passado e à cultura marítima da cidade: o ponto de partida para o projeto foi a imagem de um barco à vela.

Para mim, é um dos lugares mais instagramáveis de Copenhague. À noite, as luzes deixam as plataformas circulares da ponte ainda mais interessantes.

Arquitetura em Copenhague: Circle Bridge, do studio Olafur Eliasson

 

 

Arquitetura em Copenhague: edifícios da Kroyer Plads, do escritório COBE

via COBE

Krøyer Plads

Krøyers Plads é um projeto residencial dos arquitetos dinamarqueses Vilhelm Lauritzen Architects e COBE.

É curioso como os prédios parecem, ao mesmo tempo, antigos e modernos, evocando tempos passados.

Isso porque essa é uma interpretação moderna da arquitetura da zona portuária, com as mesmas características, proporções e materiais dos armazéns históricos.

 

 

 

Arquitetura em Copenhague: Glass House, em Christiania

SEIER+SEIER, via Flickr

Glass House

Mesmo que um pouco fora dos padrões dessa lista, a casa de vidro de Christiania, feita inteiramente a partir de janelas antigas sobrepostas, não tem como passar batida.

Rústica, é o melhor exemplo de arquitetura sem arquitetos, um lema bastante presente no desenvolvimento da cidade livre de Christiania, onde a casa está localizada.

Outras casas do bairro também são bastante peculiares.

 

 

 

 

 

Amager e Ørestad

Um dos distritos da capital dinamarquesa, Amager, na verdade, corresponde a uma ilha, conectada a Zelândia, onde está o centro, por várias pontes.  É aqui, em Kastrup, que fica o aeroporto internacional, bem como um dos passeios mais recomendados, o aquário nacional.

Amager é uma zona de expansão natural para o centro de Copenhague, mas ainda segue como uma das regiões menos povoadas da cidade. Talvez não por muito tempo.

Principalmente na parte oeste da ilha, em Ørestad, o governo e o mercado imobiliário, de olho no potencial de crescimento da região, tem apostado em edifícios futuristas. Com forte apelo comercial, são projetados por escritórios badalados e arquitetos famosos mundialmente. Hoje, essa é a meca da arquitetura contemporânea em Copenhague.

 

Amager Bakke

Símbolo da sustentabilidade urbana que a Dinamarca defende, o Amager Bakke é um parque público construído sobre uma planta de transformação de resíduos em energia. A antiga usina, revitalizada pelo projeto do arquiteto Bjarke Ingels ao custo de US$ 660 milhões, vai utilizar uma tecnologia de última geração que torna o processo de incineração quase livre de poluição.

O ar deve ser tão puro que os arquitetos incluíram uma chaminé que libera anéis de fumaça falsa – a composição, em vez de poluentes tóxicos, é vapor d’água. A pista de esqui, a parede de escalada, o restaurante e o bar para esquiadores devem ser inaugurados ainda esse ano.

Arquitetura em Copenhague: usina Amager Bakke, do escritório BIG

Daniel Rasmussen, via Visit Copenhagen

 

Tietgenkollegiet

Os dormitórios Tietgen são um projeto arquitetônico do escritório Lundgaard & Tranberg Arkitekter para a sede de Ørestad da Universidade de Copenhague. É super interessante como a estrutura comunitária e a forma circular do edifício, representando a ideia do coletivo, contrasta com os ambientes modulares, pensados para o indvíduo.

Dá até vontade de ser estudante para poder morar aí, né?

Arquitetura em Copenhague: residencial Tietgen, do escritório Lundgaard & Tranberg Arkitekter    Arquitetura em Copenhague: residencial Tietgen, do escritório Lundgaard & Tranberg Arkitekter

 

 

Arquitetura em Copenhague: edifício Koncerthuset, do escritório Jean Nouvel

via DR Koncerthuset

Koncerthuset

Obra do francês Jean Nouvel, a Sala de Concertos de Copenhague é um complexo com salas para espetáculos e estúdios de gravação da Danmarks Radio, a principal empresa dinamarquesa de radio e teledifusão.

O complexo tem 4 auditórios, sendo que o principal deles tem capacidade para 1.800 pessoas sentadas. Como era de se esperar, a acústica é um dos grandes destaques da casa.

 

 

Arquitetura em Copenhague: Hotel Bella Sky

via Marriott

Hotel Bella Sky

Apesar de um pouco distante do centro, o Bella Sky é uma das alternativas mais interessantes de hospedagem. O hotel foi construído, segundo projeto do escritório 3XN, com duas torres que se conectam no topo por meio de uma passarela suspensa entre elas. Em uma das coberturas, está o Sky Bar, um bar com vista panorâmica que vale a pena.

Cada ambiente do hotel é minuciosamente decorado, com o melhor do design dinamarquês. Ao todo, são mais de 800 apartamentos distribuídos ao longo de 23 andares. O 17º, inclusive, se chama Bella Donna e é dedicado ao público feminino, com detalhes pensados especialmente para mulheres.

 

VM Houses

Se as pessoas são diferentes, por que todos os apartamentos são iguais? Essa é a ideia por trás desse conjunto residencial, que foi a primeira obra reconhecida do hoje famoso arquiteto Bjarke Ingels e seu escritório BIG, em 2005.

Arquitetura em Copenhague: VM Houses, do escritório BIG + JDS

via BIG + JDS

 

A imagem das varandas se lançando para fora, como estilhaços de vidro, já é impactante, mas é no interior do edifício que se vê a genialidade do projeto.

Mais de 80 tipos diferentes de apartamentos flexíveis, todos com espaço de pé-direito duplo e vistas panorâmicas, se encaixam ao redor de corredores centrais, como num jogo de tetris arquitetônico.

Um mosaico de diferentes estilos da vida contemporânea, plural e diversa.

 

 

VM Mountain

Como o seu vizinho, o VM Mountain é um senhor condomínio residencial. Aqui, nenhum morador tem que escolher entre ter um exuberante jardim ou possuir uma varanda com vista: absolutamente todos os apartamentos tem a garantia de dispor de ambos. Além, é claro, de uma vaga numa das garagens mais descoladas de Copenhague.

Arquitetura em Copenhague: VM Mountain, do escritório BIG + JDS

Jens Lindhe, via BIG + JDS

 

Arquitetura em Copenhague: escola Orestad Gymansium, do escritório 3XN

via Orestad Gym

Ørestad Gymnasium

Adeus salas de aula! Desenhado pelos arquitetos do 3XN, o colégio de Ørestad reflete novos valores da educação dinamarquesa, que prima por estudos interdisciplinares e uma organização mais dinâmica do ensino.

Arquitetonicamente, isso significa uma estrutura flexível, com vários espaços de convivência distribuídos entre quatro andares conectados vertical e horizontalmente. A integração desses ambientes possibilita uma comunicação e uma interação sem barreiras entre alunos e professores.

 

Ørestad Plejecenter

Encomendados pela KAB, uma organização sem fins lucrativos que administra moradias sociais, e projetados pelo escritório de arquitetura JJB, os oito edifícios do Ørestad Plejecenter formam um complexo residencial para idosos.

Aqui, a galera da terceira idade vive com estilo: compartilham áreas comuns como pátio, quintal e área de serviços (tem até cabelereiro!), enquanto cada um tem seu próprio apartamento com sala, cozinha, quarto e varanda. Aliás, as varandas são projetadas para fora como cubos assimétricos, o que faz desta uma das fachadas mais divertidas de Copenhague.

Arquitetura em Copenhague: residencial para idosos de Orestad, do escritório JJB

via Orestad Plejecenter

 

8 Tallet

Assinada por Bjarke Ingels e seu conceituado grupo BIG (em parceria com os escritórios Hopfner, MOE e KLAR), esse conjunto habitacional é a concretização de sustentabilidade e funcionalidade em formas arquitetônicas. O complexo une 475 apartamentos residenciais nos andares superiores a uma área comercial de 10.000 m² na base do prédio.

Arquitetura em Copenhague: 8 House, do escritório BIG

Jens Lindhe, via BIG

Sua arquitetura possibilita circular desde o térreo até a cobertura de bicicleta ou a pé, por meio de imensas rampas e passarelas internas que acompanham os terraços dos apartamentos com jardins.

Visto de cima, o edifício tem o formato de um 8 (por isso o nome de 8 House). O que só torna o projeto ainda mais poético: o número 8 carrega a simbologia do infinito, tudo a ver com a arquitetura de Copenhague, sempre em renovação.

 

Arquitetura em Copenhague: aquário Den Bla Planet

Adam Mørk, via 3XN

Den Blå Planet

O Aquário Nacional da Dinamarca, conhecido como o Planeta Azul, tem uma arquitetura futurista, com formas circulares, inspiradada pelo movimento da água. A impressão é que os visitantes são conduzidos ao interior do prédio como num redemoinho, proporcionando uma imersão num mundo aquático.

No interior, mais de 50 tanques com animais de todo o mundo e avançadas tecnologias de apresentação. Esse é um dos passeios que eu mais recomendo em Copenhague, principalmente para quem viaja com crianças!

  • Confira outros atrativos recomendados nos arredores de Copenhague aqui.

 

 

Arquitetura em Copenhague: Kastrup Sea Bath

via White Arkitekter

Kastrup Søbad

O Kastrup Sea Baths é uma piscina pública em mar situada na orla de Amager, não muito distante do aquário.

As instalações incluem vestiários com duchas e lockers, bem como plataformas de mergulho. À noite, luzes embutidas no deque de madeira criam um lindo efeito de iluminação.

Dá pra imaginar qual é o point do verão, né?

 

 

 

Nørrebro

Esse distrito de Copenhague conta com uma forte concentração de imigrantes — são mais de 60 nacionalidades diferentes convivendo na mesma região! É claro que multiculturalidade tem tudo a ver com criatividade e inovação, não é mesmo?

Não é à toa que o bairro foi escolhido para abrigar o Superkilen, um dos projetos mais instigantes de Copenhague.

 

Superkilen

Tudo começou com um plano de melhoria urbana coordenado pela prefeitura em 2009, que tinha como objetivo refletir a diversidade étnica e cultural do bairro. Em parceria com o grupo de artistas Superflex, os escritórios BIG e Topotek1 transformaram um espaço até então vazio em um enorme parque urbano, com um uso ousado de cores e esculturas de todo o mundo. O mais legal é que essa miscelânea de artefatos e objetos globalizados foram escolhidos pelos próprios moradores.

O parque é dividido em três zonas: a praça vermelha (red square), voltado para atividades de recreação e esportes; o mercado preto (black market), o ponto de encontro central dos moradores, com uma fonte marroquina e cerejeiras japonesas; e o parque verde (green park), literalmente uma extensa área verde.

Como se não bastasse o conceito super bacana, o Superkilen ainda sai sensacional nas fotos!

Arquitetura em Copenhague: parque Superkilen

Eager, via Flickr

 

Nordhavn

Nordhavn é uma região portuária e industrial no norte de Copenhagen, no bairro de Østerbro. Possui inúmeros terminais para contêineres e docas para embarcações, assim como uma infraestrutura voltada principalmente para o armazenamento e distribuição dos produtos que chegam ao porto.

Como as atividades industriais diminuíram significativamente nos últimos anos, essa área hoje está sendo transformada em uma nova zona urbana, com modernos edifícios comerciais e residenciais.

Os antigos armazéns são convertidos em edifícios de apartamento de luxo, novas construções  ressignificam o bairro e até mesmo projetos urbanos inusitados ganham destaque.

 

Adam Mork, via 3XN

UN City

Construída para concentrar os diversos programas e agências da organização, a sede das Nações Unidas em Copenhague é um dos grandes destaques da região de Nordhavn. Seu formato estelar, com oito pontas, é uma referência visual para a missão da ONU de coordenar ações em todas as direções do mundo.

Tal qual o trabalho da organização, o edifício foi projetado pelo escritório 3XN para criar diálogo, interação e encontros entre pessoas de diferentes áreas. A sede abriga 11 agências e cerca de 1.500 funcionários de mais de 100 países.

Hoje, é considerado uma das construções de maior eficiência energética da Dinamarca e é um exemplo de arquitetura sustentável. Toda sexta-feira é organizado um tour gratuito pelas instalações, mais informações no site.

 

 

Portland Towers

Quem vê essas modernas torres comerciais dificilmente diria que elas foram construídas, origianalmente, para armazenar cimento.

Primeiro edifício reformado nessa região portuária, em 2013, as Torres Portland iniciaram a onda de revitalização dessa parte da cidade.

Durante a reconstrução, o novo edifício comercial foi anexado ao redor da estrutura do silo que ali existia desde 1979. A estrutura, que parece pairar no ar, a 24m do chão (o total do conjunto tem 52m), é bastante impressionante.

 

 

The Silo

Os arquitetos da COBE transformaram esse imenso silo de armazenamento de grãos num dos edifícios mais exclusivos de Copenhague. Para modernizar a fachada de concreto industrial, o exterior do edifício foi revestido por placas de aço galvanizado em formatos geométricos.

O interior foi preservado, na sua forma mais crua e original possível. Pilares e paredes de concreto contrastam com enormes janelas, do piso ao teto (o pé direito chega a até 7 metros!), e com móveis de design escandinavo.

Mas não pense que somente os moradores desses luxuosos apartamentos, que variam de 100 m² a 400 m², têm direito a essa vista fenomenal de Øresund. A cobertura, uma caixa de vidro espelhado, abriga um restaurante com vistas panorâmicas da cidade e do mar.

Rasmus Hjortshoj, via COBE

 

CPH-Ø1

O verão de 2018 trouxe o protótipo de um arquipélago artificial que os arquitetos do estúdio Fokstrot conceberam para as bacias da região portuária de Copenhague.

Trata-se de uma pequena plataforma flutuante, construída inteiramente de madeira, com uma única árvore em seu centro. O projeto prevê outros espaços públicos insulares, como uma plataforma de nado, uma sauna, jardins flutuantes, café “sail-thru” e até mesmo uma fazenda de cultivo de mexilhões.

A ideia é que qualquer um que esteja nadando, velejando ou andando de caiaque, como é muito popular no verão, possa chegar até esses locais e desfrutar da atividade proposta. Mais informações aqui.

Você sabe que a arquitetura em Copenhague alcançou outro nível quando são criados espaços públicos até mesmo no mar!

  

 

Copenhagen International School

O CIS, projetado pelo escritório C.F. Møller, é a sede da maior escola de Copenhagen, com 25 mil metros quadrados, mais de 1.200 alunos e cerca de 300 funcionários. O edifício é dividido em quatro áreas principais, variando de cinco a sete andares, cada um adaptado para as necessidades das crianças em diferentes estágios de desenvolvimento.

Além disso, as quatro unidades distintas foram construída sobre o andar térreo, que contém espaços comuns como cantina, biblioteca, teatros e instalações para a prática de esportes. Isso possibilita que, fora do horário escolar, esse espaço permaneça aberto para a comunidade local.

Adam Mork, via C.F.Møller

 

E aí, ficou com vontade de fazer um tour para conhecer a arquitetura em Copenhague?
Guarde esse artigo para depois, SALVE NO PINTEREST: