Há muitos lugares inusitados pela Escandinávia e cada um, com suas particularidades, apresenta um cenário único. As planícies perfeitas para ciclismo e o encontro de dois grandes mares na Dinamarca, os fiordes e as montanhas da Noruega, os vulcões, gêiseres e glaciares da Islândia, os parques, a cultura e o fenômeno da aurora boreal na lapônia sueca e finlandesa.

Viajar pelo norte europeu é se surpreender com as diferenças geográficas e culturais de cada lugar por qual se passa. Mas, afinal…

 

Onde fica a Escandinávia?

Situada no norte europeu, a Escandinávia é uma região sem fronteiras políticas claramente definidas. Por isso, o uso desse termo é muitas vezes ambíguo. Geograficamente, corresponderia à península Escandinava, rodeada pelo Mar do Norte e pelo Mar Báltico e formada pela Suécia, Noruega e uma parte ao norte da Finlândia.

Porém, por uma questão histórica e cultural, se inclui também a Dinamarca. Além de sucessivas uniões entre os reinos da região, esse país teve, até meados do século 17, territórios numa antiga área chamada Escânia, hoje correspondente ao sul da Suécia.

Apesar desses países fazerem parte da Escandinávia e terem muitas similaridades culturais, eles se diferem em tantas outras como idioma, política e economia.

Em um sentido mais amplo dessa denominação, a Islândia e a Finlândia às vezes também são incluídos na Escandinávia por compartilharem uma história em comum, assim como afinidades sociais e culturais.

 

Qual a diferença entre Escandinávia e Países Nórdicos?

Essa é uma dúvida comum para a maioria das pessoas e é difícil achar uma verdade absoluta.

Os países nórdicos são todos aqueles membros do Conselho Nórdico, que visa um comum acordo entre políticas culturais, sociais e econômicas do norte europeu. Este conselho inclui então os países escandinavos (Dinamarca, Suécia e Noruega), Islândia, Finlândia e três regiões autónomas: Ilhas Faroe, Groenlândia e Ilhas Åland.

Ser parte do Conselho Nórdico é uma decisão meramente política, o que significa que o número de países pode aumentar, ou diminuir, a qualquer momento. Já a Escandinávia permanecerá inalterável.

Mas vamos ao que interessa…

 

25 Lugares incríveis na Escandinávia

1. Tórshavn, Ilhas Faroe

Há mais de 60 milhões de anos, erupções vulcânicas originaram 18 ilhas que formam o arquipélago das Ilhas Faroe. Tórshavn é a capital e, diga-se de passagem, uma das menores do mundo, com apenas 12 mil habitantes. A cidade portuária, à beira do atlântico, conta com inúmeras casinhas de telhado de relva, transporte público gratuito e os únicos 3 semáforos da ilha.

 

2. Tromsø , Noruega

Famosa principalmente pela visibilidade da aurora boreal entre setembro e abril, Tromsø está a 350 km do círculo polar ártico e é a maior cidade do norte da Noruega. Com foco em turismo sustentável, tem como principais atividades andar de caiaque sob o sol da meia noite, sair pelo ártico para ver baleias em Kvaløya, fazer passeios de trenó ou sair para caçar a aurora boreal.

Temporada de inverno com aurora boreal, em Trømso.

@lightscape, via unsplash.

3. Estocolmo, Suécia

Admirada por sua beleza e planejamento urbano exemplar, Estocolmo é uma cidade formada por 14 ilhas, conectadas entre si por pontes. Uma das áreas mais charmosas é a antiga Gamla Stan, ainda com sinais da Era Medieval. Um tesouro cultural, o navio Vasa, de 1628, é parada obrigatória da cidade. Não deixe de vivenciar a cultura gastronômica ancestral saboreando pratos típicos do restaurante Den Gyldene Freden, aberto desde 1722.

Vista panorâmica da ilha de Estocolmo

Foto de @Jon Flobrant, via Unsplash.

4. Levi, Finlândia

Localizada na lapônia finlandesa, no extremo norte do país, Levi está entre as jóias setentrionais da Europa. Seja para apreciar o cenário colorido do outono ou para curtir a grossa camada de neve no inverno, hotéis de luxo como o Kakslauttanen oferecem a chance de assistir a aurora boreal do conforto do seu quarto. Outros passeios incluem a trilha para Saana e a visita a uma comunidade lapônica.

Chalé de vidro com vista para aurora boreal, Finlândia.

Hotel Kakslauttanen

5. Húsavík, Islândia

Ao norte da Islândia, a 480 km de Reykjavik, Húsavík é uma pequena cidade portuária de  arquitetura charmosa, incluindo uma igreja de madeira, a Húsavíkurkirkja, de 1907. Também é conhecida como a capital das baleias de toda a Europa: durante o verão, as chances de vê-las são de 95% (leia mais sobre este passeio aqui). Imperdível também fazer uma visita ao restaurante Naustid, que serve comida típica caseira.

Passeio de baleira em Husavík

Passeio em Husavík

6. Bergen, Noruega

Cercada por uma encosta de fiordes e florestas, Bergen é a segunda maior cidade da Noruega. As casinhas hanseáticas do bairro de Bryggen, conhecidas como “The Wharf”, foram reconstruídas depois de um grande incêndio em 1702, e hoje compõem um dos cartões postais da cidade. Conheça o famoso Fish Market (Mercado de Peixes), visite as galerias de arte da cidade, faça caminhadas pelas montanhas e aprecie a vista da enseada.

Casas Hanseáticas, Bergen. Via Trip Savvy.

7. Vágar Island, Ilhas Faroe

Porta de entrada para as Ilhas Faroe, Vagar abriga o único aeroporto da região e é uma das maiores ilhas do arquipélago. Nos entornos da cidade, em uma viagem rápida de carro, é possível encontrar paisagens que parecem ter saído de um filme: a cachoeira Mulafossur, os rios de lama no caminho para a praia escondida de Fjallavatn ou a segunda maior caverna oceânica, Munkastova.

Foto de cachoeira, nas ilhas faroe

Foto de @Marzimmer, via Unsplash.

8. Copenhague, Dinamarca

A capital dinamarquesa, famosa pelos contos de fada e pela cultura viking, é uma cidade compacta e fácil de explorar em poucos dias. Casa de uma das monarquias mais antigas do mundo, o charme de Copenhague transparece nos prédios coloridos de Nyhavn, no parque Tivoli de 1843 e nos jardins de Rosenborg. Além disso, agrupa o maior número de restaurantes Michelin da Escandinávia.

Outono, em Nyavn.

9. Ilhas Lofoten, Noruega

Impossível não se impressionar com a natureza estonteante do noroeste norueguês. As águas cristalinas da praia de Haukland, as enseadas de praia preservada, as altas montanhas e as antigas vilas de pescadores são encantadores. No entanto, não é fácil chegar no arquipélago: primeiro é preciso ir de Oslo a Bodø, e de lá pegar um ferry de 3-4 h até o destino final. Mas todo o esforço vale a pena. Não deixe de visitar as Fiskehjeller, uma estrutura piramidal sobre a qual o bacalhau é exposto para desidratação entre os meses de fevereiro e julho.

Visual panorâmico das Ilhas Lofoten, Noruega.

Foto de @tomarcher, via Unsplash

10. Jukkasjärvi,  Suécia

O que leva uma cidade de 500 habitantes no norte da lapônia sueca ser tão atraente para o turismo? A resposta está no famoso Ice Hotel. Esculpido inteiramente no gelo por artistas vindos de todo o mundo, os 67 quartos são verdadeiras obras de arte. Nos ambientes é mantida uma temperatura de -5°C (contra -30°C do lado de fora do hotel). As camas são cobertas por pele de rena e os hóspedes recebem um saco de dormir. A maioria passa apenas uma noite, mas nos arredores, há quartos normais que oferecem excelente conforto. Lá também tem como fazer safári de snowmobile, esqui e passeios para ver aurora boreal.

Um dos quartos do Ice hotel, feito por escultores famosos.

Ice Hotel

11. Caverna de gelo Mýrdalsjökull, Islândia

Próximo da cidade de Vík, no sul da Islândia, está a quarta maior calota glacial do país. Este glaciar está sob um dos mais violentos vulcões do país, o Katla, pior até que o vizinho Eyjafjallajökull que erupcionou em 2010 causando um caos no tráfego aéreo. Suas geleiras podem ser percorridas por cima durante o ano todo, e suas cavernas exploradas internamente entre os meses de outubro e abril. 

Vista interna da caverna Myrdajokull

12. Turku, Finlândia

Cidade de estilo medieval, Turku foi a capital da Finlândia até 1812. Sua elegância está nas ruas de paralelepípedos, no seu castelo e na igreja Tuomiokirkko. Aproveite para pegar o ferry gratuito até o west bank a outra margem, visite as galerias de arte, o Market Square e experimente os deliciosos Kalakukko, pães de centeio recheados com carne de porco ou peixe.

Canal em Turku

13. Skagen, Dinamarca

O antigo vilarejo de pescadores na região mais setentrional da Dinamarca é hoje o destino de férias mais almejado pelos dinamarqueses entre maio e setembro. Com um famoso pôr do sol, que atraiu dezenas de poetas e pintores no final do século XIX, e construções pintadas todas da mesma cor – o amarelo de Skagen – é uma das cidades mais charmosas do país. Aqui acontece um raro fenômeno da natureza: uma faixa de areia ao norte, Grenen, separa dois grandes mares, o Mar Báltico e o Mar do Norte.

Faixa de areia mais ao norte da Dinamarca. Faixa de Grenen.

14. Trondheim, Noruega

Depois da capital Oslo, outras cidades norueguesas costumam ser esquecidas, mas Trondheim, a terceira maior do país, merece uma visita. Encantos medievais como a igreja Nidaros Domkirke, o bairro colorido de Gamle Bybro e excelentes cervejarias como Trondheim Mikrobryggeri são alguns dos atrativos locais.

Vista da enseada de Trondheim

Foto via Visit Norway

15. Bornholm, Dinamarca

A Dinamarca possui mais de 400 ilhas e Bornholm é distinta de todas elas. Localizada no meio do Mar Báltico, uma das opções de chegar é de avião (35min a partir de Copenhague) ou de ferry saindo de Ystad, na Suécia. Esta ilha de formações rochosas é conhecida por ser a ilha dos raios de sol e possuir um clima mais agradável que o resto do país.

 

16. Gotemburgo, Suécia

Segunda maior cidade da Suécia, Gotemburgo é uma das cidades mais verdes da Escandinávia. Aproveite boas caminhadas no Slottsskogen Park, os jardins botânicos de Gotemburgo e as estufas de Palm House para lindas fotos. Com um tempinho disponível no roteiro, dê um pulo no bairro de Haga e conheça os antiquários, os cafés e o tradicional comércio de madeira na rua Haga Nygata. Para se deliciar com a gastronomia local, vale visitar o mercado Saluhallen.

Vista de cima da cidade de Gotemburgo

Foto via Visit Sweeden – Preset Mundo Mio

17. Vik í Mýrdal, Islândia

Vilarejo mais ao sul da Islândia, Vík está a 186 km da capital Reykjavík. É um ótimo vilarejo para repousar para aqueles que viajam de carro pela Ring Road. A cidade tem apenas 300 habitantes e está em uma das áreas mais privilegiadas para o turismo, perto do Glaciar Mýrdalsjökull e uma das mais famosas praias de areia negra, a Reynisfjara beach. 

18. Oslo, Noruega

Capital da Noruega, Oslo vem ganhando espaço entre suas irmãs escandinavas. Além do clima jovem e moderno, suas obras arquitetônicas são referências de design e inovação. Algumas das atrações mais populares são a Casa de Ópera e Ballet, o Teatro Nacional e o Museu Nacional de Arte. O tamanho compacto da cidade possibilita o fácil deslocamento a pé e de bicicleta.

Prédios de arquitetura inovadora, Oslo.

Foto via Trip Savvy

19. Rovaniemi, Finlândia

Se você ainda não sabe se acredita ou não em Papai Noel, basta checar com os próprios olhos, pois o bom velhinho tem residência fixa em Rovaniemi, capital da lapônia finlandesa, e pode ser visitado 365 dias por ano. Mas não pense que a viagem se resume a isso. Se você resistir ao frio, que pode chegar a -40C no inverno, é possível se hospedar em um iglu de vidro com vista para a aurora boreal, andar de snowmobile, visitar uma fazenda de renas e imergir na cultura Sami. Site para o hotel aqui,

 

20. Smögen Village, Suécia

A 132 km ao norte de Gotemburgo, a aldeia piscatória de Smögen é mais uma jóia do litoral sueco. As casas dos pescadores enfileiradas são o charme da cidade e poderiam ser facilmente retratadas em um quadro. No calçadão, ótimos bares e restaurantes, a  oportunidade perfeita para saborear peixes e frutos do mar da melhor qualidade.

Vattentornet South, Klevenvy

Vattentornet South, Klevenvy

21. Ilhas Svalbard, Noruega

Esse é o contato mais próximo que o homem pode ter com o Polo Norte. Um paraíso de gelo, montanhas e glaciares que podem ser explorados por passeios de barco, expedições de snowmobile ou renas. O contato com o ar gélido do norte, lendas exploratórias e a chance de ver um urso polar fazem deste passeio um dos mais mágicos da Europa.

Urso Polar andando na geleira em Svalbard.

Urso Polar, via Mundy Adventures

22. Reykjavik, Islândia

Antes de embarcar para qualquer aventura no país do gelo e do fogo, é obrigatória a parada na capital mais setentrional do mundo, Reykjavík, que concentra a maior parte da população do país. Uma cidade bem estruturada, com várias lojas de design e artesanato local e obras arquitetônicas impressionantes como a casa de concertos, Harpa Hall, e a enorme igreja Hallgrímskirkja.  

A poucas horas da cidade, é possível se aventurar em day trips pela Golden Circle e visitar atrações importantes como o Parque Nacional de Pingvellir, gêiseres e cachoeiras.

vista da cidade de Reykjavík

Foto via @Theindependent

23. Møns Klint, Dinamarca

Entre os pontos mais altos da Dinamarca estão as falésias de Møn, à beira do Mar Báltico. Formadas de calcário, revelam importante da história geológica do país, desde antes da Era do Gelo. O Parque Nacional é aberto ao público e possui trilhas bem demarcadas para que os turistas possam caminhar livremente. Muitos interessados visitam o local a procura de fósseis.

24. Helsinque, Finlândia

Capital e também o maior centro cultural da Finlândia, Helsinque oferece dezenas de museus, teatros e festivais de arte. A rica história do país pode ser vista, por exemplo, na ilha de Suomenlinna, onde está a fortificação construída pelos suecos para proteção contra a Rússia em tempos de guerra. Para uma experiência gastronômica, conheça a praça do mercado Kauppatori e, para relaxar, não deixe de visitar o spa Löyly à beira mar.

Escultura em Helsinque

Foto de Rob Hurson, via Flickr

25. Preikestolen, Noruega

Quando o assunto é Escandinávia e fiordes, não há quem não reconheça as imagens de Preikestolen, uma imponente falésia eleita pela Lonely Planet um dos melhores visuais panorâmicos do mundo. A trilha pode ser acessada de abril à outubro e leva em média 5h para ser completada. Do alto é possível ter a vista de Lysefjord, um fiorde de 42 km de comprimento.