Quem não sonha em viajar barato pela Europa? Graças às companhias aéreas low cost, cruzar o continente desembolsando poucos euros é perfeitamente possível. É claro que que investimento reduzido significa também serviço reduzido. Para não cair no clássico barato que sai caro, é fundamental estar atento ao que isso significa na prática e a tudo que pode ser tarifado separadamente.

O que posso garantir de antemão? Viajar com uma companhia aérea low cost não é para qualquer viajante. Saber das normas e das restrições de cada empresa ajuda a evitar surpresas, mas estar disposto a obedecê-las à risca é a grande questão. Porém, se você tem mais tempo a gastar e conforto a sacrificar do que euros a investir, provavelmente valerá a pena enfrentar certos perrengues em nome da economia e das boas histórias para contar.

Esse post contém informações básicas sobre o funcionamento dessas empresas, bem como dicas de planejamento para que você possa aproveitar os preços arrasadores sem passar por imprevistos. E, dada a infinidade de companhias low cost europeias, compartilho também informações sobre o alcance e as regras de algumas das principais delas.

Se você levar todas as dicas em consideração, certamente irá encontrar passagens baratas nessas empresas. E quem sabe não vai até adotar regularmente essa forma de viajar?

 

O conceito de companhia aérea low cost

Esse tipo de serviço surgiu em meados da década de 1990 em virtude da desregulamentação dos mercados domésticos da Europa e da facilidade de venda através da internet. Bastou poder negociar rotas diretamente com os aeroportos e não ter pontes intermediárias entre empresa e cliente para que as pioneiras RyanAir e EasyJet surgissem e logo ditassem moda continente afora.

O conceito é basicamente “low cost, low fare”, isto é, “baixo custo, baixa tarifa”. Os serviços que nas companhias tradicionais são oferecidos como cortesia (na verdade, embutidos no preço final da passagem), nas companhias low cost são tarifados separadamente. Dessa maneira, é possível oferecer o simples transporte de passageiros por valores acessíveis.

 

Características comuns às companhias aéreas low cost

Para começar, decolar e pousar em um aeroporto próximo ao centro das grandes cidades pode não ser uma possibilidade. Um dos segredos da baixa tarifa é justamente operar em aeroportos secundários. Por isso, avalie as formas de acesso e quantos euros custará para chegar até a região central do destino que você quer visitar de fato.

Para a viagem ser rentável é preciso incluir a maior quantidade de pessoas, certo? É por isso que existe apenas um espaço mínimo entre as poltronas – que, muitas vezes, sequer reclinam. Não costuma ser oferecido qualquer tipo de entretenimento a bordo e tudo que é ofertado durante o voo tem custo. Por sorte, voos dentro da Europa raramente levam mais do que duas ou três horas, tornando qualquer viagem tolerável.

É imprescindível chegar com pelo menos duas horas de antecedência no aeroporto em função dos trâmites de embarque, especialmente em função do acesso aos assentos ser por ordem de chegada e pelo despacho da bagagem eventualmente tomar mais tempo. A pontualidade nessas empresas é bastante a sério, portanto, estude bem o seu roteiro de deslocamento para não correr risco de perder o voo.

 

O que (não) está incluso em voos low cost

Alguns itens costumam fazer parte da política de taxa extra de qualquer empresa, sendo a bagagem o mais comum deles. Normalmente você tem direito a viajar com uma bagagem de mão, que deve obrigatoriamente estar dentro do peso e das medidas pré-estabelecidas. Se for maior ou mais pesada do que o permitido, será cobrado uma  taxa extra — algumas empresas, inclusive, cobram por cada quilo em excesso.

Às vezes a tarifa mais barata não inclui nem mesmo essa bagagem, apenas uma pequena mochila. Portanto, antes de se sair comprando um voo entre Dublin – Londres a €10 o trecho, confira tudo o que pode vir de brinde em forma de €xtrinhas. Se você ainda tem dúvida sobre o que pode ser tarifado separadamente, saiba que é… tudo! Tudo mesmo.

Despacho de bagagem, excesso de bagagem, marcação de assento, espaço extra no assento, check-in no balcão do aeroporto (a alternativa é fazer em casa e levar o papel impresso) e prioridade de embarque são serviços oferecidos, mas tarifados à parte. Durante o voo, também: alimentos, bebidas, manta, fone de ouvido… As low cost ainda oferecem produtos a bordo, como souvenires, relógios e até bilhete de loteria.

 


Gostou desse conteúdo?

Receba os textos de viagem do MundoMio na sua caixa de entrada!





 

Como encontrar passagens baratas em companhias low cost

Com frequência ouvimos falar dos preços arrasadores que um ou outro conhecido encontrou e desfrutou durante uma viagem pela Europa. Como achar essas passagens por poucos euros? Com muita pesquisa e simulação de datas, é lógico. No entanto, algumas dicas básicas podem ajudá-lo a se deparar com a tarifa mais baixa:

  • Comprar passagens aéreas com bastante antecedência (ida e volta!);
  • Evitar viajar em alta temporada, durante feriados ou em final de ano;
  • Procurar por voos no meio da semana, tarde da noite e/ou cedo da manhã.

Para mais recomendações de como encontrar passagens baratas, confira esse post.

Você pode utilizar alguns sites específicos para ajudá-lo nessa missão. No Low Cost Airline Guide ao escolher a cidade de origem, automaticamente é mostrado as possibilidades de destinos e quais companhias low cost operam a rota; a ferramenta de mapa interativo é bastante útil. Já o Which Airline é um buscador de passagens somente de companhias aéreas de baixo custo.

 

5 companhias aéreas low cost da Europa

01. RyanAir

A companhia irlandesa é, sem dúvida, a mais amada e odiada low cost da Europa. Fundada nos anos 1980, foi pioneira no setor e continua ainda hoje a vender passagens por valores abaixo da concorrência. De tempos em tempos, surge com alguma ideia mirabolante, como transportar passageiros de pé ou cobrar pelo uso do banheiro durante o voo.

Aeronave da RyanAir, uma das principais companhias aéreas low cost da Europa

Anna & Michal, via Flickr – Presets MundoMio

A maior companhia aérea low cost da Europa opera mais de 2000 voos por dia, conectando 222 cidades em 37 países. Embora sua sede seja em Dublin, seu principal hub é em Londres, no aeroporto de Stansted, a 62km da cidade. Aliás, uma das características da RyanAir é operar em aeroportos secundários que, normalmente, estão longe do destino de fato. Sempre verifique antes de comprar.

Hubs: Londres Stansted (Inglaterra), Dublin (Irlanda) e Bergamo (Itália)

Bagagem: pequena bolsa de bordo 35x20x20cm + mala de até 10kg e 55x40x20cm, que só pode ser embarcada com você se pagar por isso, caso contrário, viaja no porão do avião.

 

02. EasyJet

A maior concorrência da RyanAir é a inglesa EasyJet, não tanto em termos de preços competitivos, mas, sim, de abrangência. São 132 cidades em 30 países – inclusive para destinos no norte da África e no Oriente Médio. A principal vantagem em relação à rival é que a EasyJet costuma voar para os aeroportos principais, mesmo em destinos concorridos, como Londres, Paris ou Roma.

Hubs: Londres Gatwick (Inglaterra), Berlim (Alemanha) e Milão (Itália)

Bagagem: não tem limite de peso, mas precisa ser exclusivamente UMA bagagem de até 56x45x25cm – sua bolsa ou mochila menor precisa caber dentro dessa.

Aeronaves enfileiradas de EasyJet, uma das principais companhias aéreas low cost da Europa

via EasyJet – Presets MundoMio

 

03. Vueling

Algumas companhias aéreas tradicionais tem sua “versão low cost”: é o caso da espanhola Vueling, que pertence ao mesmo holding da também espanhola Iberia e da British Airways. Com a Vueling é possível voar para 120 cidades em 32 países, seis deles na África (Argélia, Gâmbia, Marrocos, Senegal e Tunísia) e um no Oriente Médio (Líbano).

Hubs: Barcelona (Espanha) e Roma (Itália)

Bagagem: mala de até 10 kg medindo até 55x40x20 + pequena bolsa de bordo de até 35x20x20 + sacola de compras feitas no aeroporto (essas duas últimas precisam caber debaixo do assento da frente).

Aeronave da Vueling, uma das principais companhias aéreas low cost da Europa, sobrevoando o Mediterrâneo

Via pxhere – Presets MundoMio

 

04. WizzAir

Se o seu roteiro de viagem pela Europa inclui destinos no leste do continente europeu, então é bom prestar mais atenção na WizzAir. Essa low cost húngara opera rotas para países como Bósnia e Herzegovina, Sérvia, Polônia, Romênia e Bulgária com maior regularidade.

Embarque na WizzAir, uma das principais companhias aéreas low cost da Europa

Via pxhere – Presets MundoMio

No total, são 145 cidades em 44 países. Assim como a RyanAir, a WizzAir também costuma operar em aeroportos secundários.

Hubs: Budapeste (Hungria)

Bagagem: pequena bolsa de bordo de até 40x30x18cm OU mala medindo 55x40x23cm para viajar no porão do avião, livre de custos. Para viajar com mala de até 20kg, a tarifa costuma ser 15% mais cara.

 

05. Norwegian

A companhia aérea norueguesa é tão low cost quanto pode ser qualquer produto vindo dos Nórdicos: barato, pero no mucho. Claro que isso se traduz também na qualidade do serviço. Considerada a terceira maior empresa do setor na Europa, a Norwegian tem especial foco em destinos da Escandinávia, mas oferece ampla oferta também para África, Oriente Médio, Ásia, Estados Unidos e até Argentina! Já se sabe que a companhia também anda de olho no mercado brasileiro

Hubs: Oslo (Noruega), Londres Gatwick (Inglaterra) e Helsinque (Finlândia)

Bagagem: a tarifa básica inclui pequena bolsa de bordo de 25x33x20cm + mala medindo 55x40x23cm; juntas devem pesar no máximo 10kg.

Decolage da aeronave da Norwegian, uma das principais companhias aéreas low cost da Europa

Norwegian, via Wikimedia – Presets MundoMio