Um dos meus lugares favoritos na terra: Tailândia! Não é à toa que hoje em dia seja um dos maiores destinos para férias. Além do visual maravilhoso das praias, a cortesia dos tailandeses e a gastronomia cheia de especiarias, viajar para Tailândia pode transformar suas férias em uma experiência cultural inesquecível.

As maravilhosas ilhas de Koh Phi Phi que são parada obrigatória para quem viaja para Tailândia, recebendo milhares de visitantes todo ano. O Arquipélago de Phi Phi é formado por um conjunto de 6 ilhas, sendo as duas principais Koh Phi Phi Don (única ilha com opções de acomodação e restaurantes) e Koh Phi Phi Leh (conhecida por suas baías e praias, como Maya Bay). 

Quando fui a Phi Phi Island pela primeira vez em 2012, foi apenas através de um passeio de um dia saindo do píer de Phuket. Nesse passeio dá para dar uma volta geral e ver os pontos turísticos, mas tudo muito rápido. Esse ano como passaríamos um mês da Tailândia, quis programar pelo menos um final de semana na ilha. Assim poderíamos aproveitar os passeios fora do “horário de pico”, andar pelas ruas com calma, curtindo os lojinhas locais sem estresse.

Fechamos o passeio para sair de Phuket em uma sexta. Tudo organizado por uma agência de turismo bem próxima ao nosso hotel que parecia mais uma cabine do que agência. Ficamos meio desconfiados se o transfer viria ou não nos pegar no horário certo quando fomos informados pela atendente de que caso o motorista não chegasse até 7:30, nós poderíamos ligar no celular pessoal dela. Mas no horário certo o motorista apareceu e nos dirigimos ao porto de Phuket.

Os tailândeses não são muito adeptos de tecnologia, tudo é anotado em caderninho e a marcação dos passageiros é feitas com adesivos. Pode parecer desorganizado de início, mas eles tem controle de tudo. Baseado na cor do seu adesivo eles sabem para onde você vai, quando volta e onde fica. ficamos impressionados! Tanto porque dificilmente conseguíamos nos comunicar em inglês.

Pegamos nosso ferry até PhiPhi. Uma hora e meia de jornada. Devido a falta de assentos, pagamos também um adicional para poder entrar em uma sala VIP com sofá e ar condicionado que custava 600 baht (18 dólares). O passeio é bem confortável e passa rápido uma vez que você pode ir curtindo a paisagem ou mesmo assistindo tv.

No Píer de PhiPhi já fomos logos identificamos pelos nossos adesivos e nos encontramos com a turma do nosso hotel. Para nossa surpresa o nosso hotel ficava tão longe da Vila de Tomsai (centrinho de PhiPhi) que tivemos que pegar outro barco. Mas apesar da distância não desanimamos, pois o hotel que escolhemos Phi Phi Island Village Beach Resort  era simplesmente maravilhoso! Lindas piscinas com vista para o mar, os quartos eram bangalôs privados, com sacada também vistando a praia. Atendimento então não poderia ser diferente. Em todos os lugares da Tailândia você é bem atendido e bem servido.

No primeiro dia, que foi quando chegamos, estávamos cansados e decidimos então aproveitar para dar uma volta no hotel, conhecer os restaurantes da nossa vila e agendar nosso passeio ao redor da ilha para o dia seguinte.

No próprio hotel, há um departamento de turismo que programa todos os passeios. Por um lado, a comodidade, mas por outro a falta de opção. Os passeios quando agendados no próprio hotel são sempre mais caros, esse por exemplo de meio período custou 2,500 baht por pessoa (75 dólares) mas para nossa sorte eles faziam passeios com no máximo oito pessoas. E só fui dar valor a isso quando realmente saímos para o passeio no dia seguinte.

Todos os passeios de barco que eu havia feito antes na Tailândia eram de speedboat, com uma média de 40 pessoas por passeio. Todo mundo sentadinho bonitinho, todo mundo falando alto e quando tem a parada para mergulho, volta todo mundo molhado tendo que sentar um do lado do outro de novo. Isso se repetindo várias vezes até acabar o passeio. Mas esse não, quase que um tour particular. Tínhamos o speedboat para 8 pessoas, 4 casais. Todo mundo com espaço de sobra para deitar e descansar. Além disso havia comida e bebida incluídos no passeio.

A primeira parada foi Maya Bay por volta das 8am. Nesse horário apenas as pessoas hospedadas na ilha estão no local e por isso o volume de pessoas é bem pequeno. (nada se compara quando fui no meu passeio de barco em 2012 onde as pessoas se matavam pra tirar uma foto sem ninguém de plano de fundo). Dessa vez foi super tranquilo, o mar estava calmo, pudemos ancorar nosso barco e ficar uma hora passeando pela baía. Não há muito o que se fazer em Maya Bay. Esse é um parque nacional e a área de visitação é limitada. Mas enfim, dá para andar de uma ponta da praia até a outra, ver os outros barcos chegando e saindo da baía, tirar umas boas fotos e admirar a grandiosidade de Deus e da natureza.

Muitas pessoas visitam lugares como esse (e tantos outros) e esquecem também de curtir o momento, sentir o pé na areia fina e branca que é tão diferente daquela que temos em nossos países, a temperatura da água que é tão fresca que dá vontade de mergulhar de cabeça. É uma pena que lugares como esse também juntam muito lixo. Não dá para saber ao certo se o lixo vem com o mar e para na baía, ou se o próprio turista o leva. É triste ver a quantidade de lixo que há na água, principalmente nos cantos da praia.

Acredito que há uma equipe que mantenha o local, mas ainda sim, deveria ter uma fiscalização mais severa ao turista, alguma multa para aqueles que abandonam seus lixos, alguma coisa…

Seguindo o passeio, passamos pela Caverna Viking e paramos em um ponto para mergulho com direito a lanche que incluía melancia, abacaxi e bolo de banana rsrs. A água naquela região de Phi Phi é muito clarinha e ótima para mergulho. Na verdade não precisa nem ir tão fundo para ver centenas de peixinhos nadando ao redor esperando por um pedacinho de banana ou pão que os turistas oferecem na expectativa de poder tirar fotos.

Por último o barco nos leva também a um Rochedo dos Macacos, popular pelos número de macacos que ficam pendurados nas pedras esperando a chegada dos barcos para receber comida dos turistas. Eu fiquei chocada de ver o número de macacos que ficam por lá. Alguns barcos chegam tão próximos que é possível que o macaco pule de alto da pedra para dentro do barco. Mas com sorte nosso barco se manteve distante e eu adorei. Em 2012 fui mordida por um macaco em Bali e desde então tenho receio de me aproximar deles. Afinal, são animais que vivem na natureza e são selvagens.

Mas essa foi uma parada rápida e logo seguimos para outro ponto de mergulho que seria o último antes de voltar para o Hotel. Esse passeio durou o período da manhã e chegamos de volta ao hotel para o almoço. Para alguns pode ser um passeio curto, mas no meu ponto de vista é o suficiente. O nosso hotel também tinha muita opção de lazer e queria usufruir da cara estadia que pagamos por um fds.

O resto do dia ficamos deitados na praia, lendo nossos livros e tomando água de cocô. Nessa parte da ilha o mar costumava baixar na hora do almoço e voltava a subir no final de tarde. Foi legal poder assistir o avanço do mar de novo e os pescadores podendo trazer seus barcos de volta ao porto.

No dia seguinte, nosso último dia, também aproveitamos para dormir até tarde e depois curtir um pouco mais no bar da piscina. Com o calor da Tailândia não tem nada melhor do que curtir o bar da piscina, com um Mai Tai que é minha bebida favorita. Geralmente as pessoas que ficam em resorts acabam ficando refém dos bares e restaurantes do hotel, nesse nós só ficamos 2 dias então não deu para enjoar. Em todo o caso, essa foi uma viagem maravilhosa, com direito a muito descanso e lindas paisagens.

 

Vista do hotel para a praia

Bangalô visto da praia

Quarto do bangalô

Garota Tropicana

Maya Bay

Ponta da Praia em Maya Bay

TailBoat tailândes ancorado em Maya Bay

Passeio de barco

Rochedo dos macacos onde eles ficam camuflados

Maré baixa em Phi Phi

Se Koh Phi Phi vale a pena?

Vale! Algumas pessoas podem se decepcionar quando esperam que Phi Phi seja como nos catálogos de agência de viagem. As praias são realmente paradisíacas, mas está longe de ser uma praia deserta. Se você gosta de exclusividade provavelmente terão outras opções de praia na Tailândia que sejam menos populosas e também mais baratas. Mas enfim, todo lugar tem seus prós e contras e eu fiz uma lista de acordo com meu ponto de vista:

 

Prós Contras
Lindas praias e paisagens que estão intactas apesar da grande exploração turística As ilhas de Phi Phi não são bem preservadas nas áreas de parque nacional.
A água é excepcionalmente linda, ótima para mergulho em grandes profundidades Em alguns lugares como Maya Bay, há uma enorme quantidade de lixo na água
Ótimo também para snorkeling em alguns lugares específicos Se o tempo não tiver bom ou se o mar estiver agitado, passeios podem ser cancelados, bem como o ferry para quem tem que ir para o aeroporto.
Vida noturna para jovens Tudo custa pelo menos o dobro do preço se comparado com outras praias paradisíacas da Tailândia
Lugar seguro até para mulheres viajando sozinhas Frustração em não encontrar o mesmo cenário que as empresas de viagem vendem. Geralmente com fotos tiradas muitos anos atrás.
Depois do pôr do sol, a vila de Tonsai é mais calma do que durante o dia, pois um grande número de turistas que vão para passar o dia, voltam para suas cidades. Comida mais cara que o normal e poucas opções de restaurantes locais.
Relativamente fácil de chegar Tempo de viagem longo

 

Como chegar:

Apesar de não ser super prático, é bem fácil de chegar em Phi Phi. Há a opção de pegar o Ferry ou SpeedBoat, sendo o ferry mais popular. Leva em média 1 hora e meia do porto de Phuket e quase o mesmo tempo da ilha de Krabi ou Koh Lanta.

Se você estiver voando de Bangkok, deverá procurar um dos dois aeroportos (Krabi ou Phuket) e de lá pegar o táxi até o pier que levará também em média uma hora e meia.

Para checar os horários de partida e chegada dos ferrys:

http://www.phiphi.phuket.com/schedule.htm

Dica de ouro: Os ferrys são enormes e acomodam muitas pessoas, por isso chegue com antecedência para pegar um bom lugar. Caso não pegue, é possível pagar por uma área VIP, que tem assentos mais confortáveis, ar condicionado e comida de cortesia. O valor é de 60 reais por pessoa. Para mim valeu super a pena!

Quando ir:

A época mais popular sem dúvida é de novembro a março, com temperaturas entre 25 e 32 graus. Por ser alta temporada na Tailândia, lembre-se de reservar hotel com antecedência e considere que os preços estarão mais caros.

Eu fui a última vez agora em julho de 2017, que é baixa temporada por ser a época de chuvas. Eu sou uma pessoa que sempre prefiro viajar na baixa temporada para lá. A Tailândia é quente o ano todo por isso não há risco de não curtir praia! Além do mais, as chuvas são muito rápidas e acabam dando uma refrescada no clima.

Os meses mais quentes são abril e maio, com temperatura entre 26 e 27 graus.

Quanto tempo ficar ?

Essa é uma questão bem pessoal, mas na minha opnião dois ou três dias são suficientes para conhecer a ilha. Tudo depende de quantos dias você poderá ficar de acordo com seu roteiro.

Geralmente os mochileiros fazem parada rápida, enquanto que os casais que gostam de mais tranquilidade ficam até uma semana. Por isso dependerá muito do tipo de viagem que você está programando.  

Onde ficar?

Se você gosta de agito e vida noturna, a Vila de Tomsai é a melhor opção. É também onde se encontram todas as lojinhas, hostels, restaurantes e baladas.

Para os mais quietinhos tem os resorts mais reservados e um pouco mais afastados o que não significa que você ficará isolado. Todos os resorts e hotéils possuem meios de locomoção térrea e via mar para transportar todos os hóspedes.

Dicas gerais  

  • Internet: a maioria dos cafés e restaurantes possuem wi-fi. Por isso não há perigo de ficar desconectado do mundo. Alguns lugares a internet não é tão boa, mas nada que um pouco de paciência não resolva.
  • Se você precisa de internet boa para trabalhar ou manter os posts do instagram em dia, compre um chip de telefone em qualquer 7-eleven. O plano mais caro que compramos custava 40 reais.
  • Há farmácia e assistência médica na Vila de Tonsai caso necessário.
  • Em todo caso tenha alguns remédios básicos na bagagem, inclusive para diarréia. Infecção alimentar é mais do que normal na Tailândia.
  • Mantenha-se sempre hidratado, e NUNCA tome água da torneira. Nós brasileiros já estamos acostumados a não tomar água da torneira, mas em muitos países é muito comum e às vezes as pessoas esquecem.
  • Leve repelente!
  • Não esqueça o protetor solar. Na Tailândia, cada tubo de protetor custa em torno de 70 reais e um tubo pode ser usado em poucos dias.
  • Leve seu snorkel se vc já tem um. Assim você pode mergulhar em qualquer lugar. Além disso é mais higiênico.
  • Leve adaptador de tomada se seus eletrônicos tem 3 entradas. Na Tailândia a tomada tem duas entradas bolinhas.

Espero que tenham gostado de compartilhar essa viagem!

Deixem um comentário ou mandem um email com feedback se tiverem um segundinho 😉

Beijosss