O nome fala por si só, Ilhabela! É um município-arquipélago, com mais de 80% de Mata Atlântica preservada que fica pertinho de São Paulo, a cerca de 200km. Um lugar que minha família frequenta há muitos anos e que eu também aprendi a amar (apesar dos borrachudos).

O que mais me dá prazer em recomendar a ilha como destino de férias é a variedade de atrativos. Pra quem gosta de relaxar na praia, são mais de 40 opções. Pra quem gosta de comer e beber, bem, não faltam restaurantes e, pra quem quer se aventurar, são centenas de cachoeiras, piscinas naturais e trilhas entre as montanhas. O local não perde pra nenhum outro lugar no mundo no quesito natureza.

Informações práticas

  • Distâncias: São Paulo (215km), Santos (165km), Rio de Janeiro (449km), Aeroporto de Guarulhos (189km), Aeroporto de Congonhas (206km)
  • Janeiro e dezembro são os meses mais frequentados, além de feriados prolongados
  • O que não esquecer de levar: Repelente (MUITO!), protetor solar e acessórios de praia (guarda sol, cadeira..) se tiver espaço

Borrachudo: Esse mosquito é super comum na ilha e não importa o quão protegido esteja de repelente, ele achará um lugarzinho pra te picar. A picada incomoda e coça bastante. Mas a presença deles é na verdade é um bom sinal, porque eles se proliferam em água limpa e de cachoeira, o que significa que a água da região é pura!

O repelente que eu havia levado (OFF) parecia não fazer efeito. Então acabei comprando o ZAZ na farmácia, por indicação do vendedor.

Dica: Um moradora local também me indicou o  Citroilha que, segundo ela, é o melhor repelente que existe. Eu não tive tempo de experimentar, mas este é feito com óleo natural de citronela e andiroba e ajuda também a hidratar a pele.

O que fazer

A maior e principal ilha do destino é a de São Sebastião. É nela onde chegam e partem as balsas que ligam Ilhabela ao continente. A chegada da balsa se dá em Barra Velha. A partir daí, você poderá explorar as praias do sul, à direita da rotatória, ou virar à esquerda e seguir para as praias do norte.

Praias do Sul

Virando à direita na saída da balsa, a primeira praia é a das Pedras Míudas. Lá é bom chegar cedo porque é difícil encontrar área pra estacionar e, como a faixa de praia é pequena, se chegar tarde corre-se o risco de não ficar em um lugar bacana. A vantagem é que a alguns metros à frente, tem a Ilha das Cabras, que é ótima pra mergulho.

A Praia do Curral é onde está o agito. É frequentada pela galera jovem, que curte música e um bom drink. Os estacionamentos variam de 30 (mais próximo à praia) a 10 reais (mais distantes).

Praia da Feiticeira é mais sossegada, com mar calmo e vista para um casarão da era colonial. Dá pra mergulhar e descansar.

Praia Grande é boa porque que tem estacionamento público, variedade de comércios e restaurantes e os preços são mais acessíveis.

Praia do Julião é pequena, mas linda! Uma das minhas favoritas. O problema é que, na alta temporada, fica todo mundo aglomerado e só tem duas opções de lugar pra comprar bebida e comida. A barraquinha menor, bem na entrada da praia, é a que tem preços melhores e eles servem uma caipirinha deliciosa de limão siciliano por cerca de 20 reais.

Praia do Veloso é a última com acesso de carro. Você precisa tomar cuidado pra não passar a entrada. Depois dessa praia será apenas área costeira, que até dá pra nadar, mas tem muitas pedras no local. Próximo da praia também tem a cachoeira do Veloso.

E a mais famosa, a Praia do Bonete, é listada como uma das mais lindas do Brasil. Pra chegar lá é a mesma trilha que sai da Ponta do Sepituba e passa pela cachoeira da Laje e do Areado. Quando estive lá, vários gringos mochileiros passavam em direção ao Bonete. O lugar é popular não só pela beleza, mas pela rusticidade e cultura local. Uma comunidade caiçara de pouco mais de 200 pessoas vivem lá. Pra quem não gosta de trilha também tem a possibilidade de ir e/ou voltar de barco. São 15km de trilha, que pode levar até 6 horas de caminhada e, se for de barco, demora 40 minutos.

Mapa que peguei no restaurante Nova Iorqui, com pontos de mergulho, praias de banho e algumas cachoeiras

Praias do norte

Saindo da balsa em direção ao norte, a primeira praia é Perequê. É sempre um lugar bem movimentado, onde a prefeitura investe bastante na infraestrutura e entretenimento. Tem alguns barzinhos e restaurantes de frente pra praia que é ótimo pra quem quer passar o dia. Esta não é uma praia calma e, por isso, tem que seguir mais adiante se quiser tranquilidade.

Você vai passar pela Vila de Ilhabela, que é como o centrinho velho da cidade. Lá desembarcam os turistas vindos dos navios de cruzeiro. Isso faz com que a quantidade de pessoas varie muito, dependendo do dia da semana. Tem a igrejinha, muitos restaurantes, lojas e sorveterias. Ótimo pra passear, principalmente à noite.

Seguindo mais ao norte,  tem também o mirante da cidade, que todo mundo para pra tirar foto da vista panorâmica.

 

A Praia do Viana é um lugar que recomendo muito. É uma faixa de praia pequenininha, com um quiosque de frente pro mar. É um ambiente familiar e calmo. Dei sorte de ser do lado do hotel onde fiquei (Hotel Mercedes). Se consumir no restaurante, pode usar as espreguiçadeiras e mesas. Os preços pra consumo estão na média do que é cobrado no resto da ilha. Nas proximidades também tem a cachoeira do Couro do Boi.

Praia da Armação é maravilhosa pra quem gosta de praticar esporte à vela, kite ou windsurf.

Se você estiver com veículo de passeio e não 4×4, a última praia que conseguirá ter acesso é a Praia do Jabaquara. Depois de sair do asfalto, tem que seguir mais uns 8km de estrada de terra, mas é tranquilo. Por ser uma praia já mais isolada, ainda conta com boa infraestrutura e ducha de água doce.

Para acessar as outras praias ao norte, é preciso carro com tração 4×4, ou alugar um barco. Sempre planeje bem e com antecedência os lugares e horários que irá visitar.

Passeio de Barco 

Explorar as praias costeiras de carro é tranquilo, mas as melhores praias são as que ficam isoladas, com difícil acesso.

As agências de turismo oferecem passeios de flexboat, escuna ou lancha privativa. Dependendo do número de pessoas que estiver viajando, compensa muito alugar um passeio privado. Assim você tem a flexibilidade de planejar quantas praias quer conhecer e quanto tempo ficar em cada uma.

Eu e minha família fechamos um passeio privativo que começou às 10h, passando pelas praias da Fome, Castelhanos e Saco do Eustáquio, e terminou às 17h. O trajeto contornando a ilha é maravilhoso! Nós fomos passando por muita praia linda, vimos as casas maravilhosas que ficam nas encostas do morro e com vista para o mar. E, em alguns trechos você observa a aglomeração dos bascos de pesca. Eu fui em janeiro, quando é temporada de lula, o que acaba atraindo golfinhos pra região. Demos a sorte de ver vários deles acompanhando nosso barco no pôr do sol. Esse passeio valeu cada centavo.

Algumas das praias que podem ser visitadas de barco:

Praia da Fome: Fica depois da Praia do Jabaquara (última com acesso a carro). É ótima pra quem gosta de sossego e de mergulhar, pois não param muitos barcos ali. As árvores na praia também oferecem bastante sombra pra quem não quer ficar no solzão. O nome da praia remete ao tempo em que os escravos chegavam da África e seriam alimentados para depois serem vendidos ao resto da ilha.

 

Praia de Castelhanos: É uma praia super popular por ter um aspecto selvagem e água limpa. Quando a lancha chega nos arredores da praia, barcos menores fazem o transporte dos turistas até a orla. A praia é bem extensa e, se for caminhar, leve muito repelente! Lá os borrachudos atacam pra valer. E não esqueça de tomar a caipirinha de folha de mexerica na barraca do alemão (preço no rodapé do artigo).

Obs: Também dá pra chegar em Castelhanos com carro de tração 4×4, mas existe um limite no número de veículos que podem acessar a estrada. Planeje com antecedência!

 Praia Saco do Eustáquio: Minha favorita! Um lugar calmo, com água transparente e pouco movimentada. Na encosta do morro tem um restaurante com estrutura legal pra almoçar. Como o estabelecimento vive do turismo, o preço é mais salgado. Mas, por outro lado, a comida é gostosa, com peixe fresquinho. Uma delícia!

Outra praia boa pra conhecer de barco é a do Bonete, no sul da ilha, considerada uma das mais lindas do Brasil. Também dá pra chegar lá por trilha, que leva em média 5 horas. Vi muitos gringos no caminho da trilha da Laje em direção ao Bonete.

Trilhas e Cachoeiras

A fama que Ilhabela leva é de ter uma cachoeira diferente para visitar a cada dia do ano, passando de um total de 360. Algumas são de fácil acesso, como a da Toca, que fica pertinho da área urbana. Outras mais afastadas exigem uma caminhada maior, como a do Veloso (40 minunots) e a da Laje (55 minutos)

Cachoeira da Laje: Indo pela estrada em direção ao sul da ilha, você tem que continuar mais 2,5km em estrada de terra depois que acabar o asfalto, até chegar na entrada da Fazenda da Laje. Tem um estacionamento na casa dos caiçaras que moram ali, que custa 10 ou 15 reais dependendo da temporada. De lá, levamos em média 55 minutos de caminhada até a cachoeira. O início do percurso é mais difícil, com muita subida. Ao se aproximar, já dá pra escutar o eco do som da queda-d’água. Você irá passar por uma ponte de madeira e, virando à direita, já vai encontrar a entrada pra cachoeira (que não é bem sinalizada). Se banhar ali depois de uma longa caminhada é maravilhoso! Tem também quem continue a trilha, de mais 8km, até a praia do Bonete.

 Cachoeira Paquetá: Muita gente posta foto dessa cachoeira no Instagram e poucos divulgam o nome. É um lugar que vale a pena conhecer. São três quedas-d’água no total. A trilha até a primeira delas é mais fácil, mas o nível de dificuldade vai aumentando até a terceira queda, que tem a vista mais bonita. Pessoas com preparo físico médio já conseguem fazer essa trilha, mas é bom ir bem equipado: um bom repelente, sapato fechado e confortável (pela facilidade de locomoção e proteção contra bichos), protetor solar, água potável, lanche e, claro, câmera ! Todo mundo gosta de registrar a piscina de borda infinita que se forma.

Como o relevo é bem acentuado, alguns picos são bem marcados e dá pra ver a quilômetros de distância.

Trilha do Pico do Baepi: É o quinto maior pico de Ilhabela e a distância a ser percorrida é de 3,5km  até o topo, a 1.025m de altura. Dizem que a trilha é bem sinalizada, mas como eu iria sozinha e não consegui reservar a ida com o guia, acabei não indo. Várias pessoas me recomendaram o passeio. Leva em média de 3 a 4 horas pra subir e 2 horas pra descer. É bom programar pra ir cedo.

  • Dica: A maioria das agências de turismo conseguem um guia e custa em média 100 reais por pessoa.

Mergulho 

A primeira praia ao sul da Ilha é a praia das Pedras Miúdas que dá de frente para a Ilha das Cabras, um verdadeiro berço da vida marinha. Por ser proibida a pesca no local, dá pra ver várias espécies de peixes, tartarugas e, com sorte, até arraias. A vantagem de mergulhar lá é não precisar de todo equipamento de mergulho. Apenas com o snorkel já dá pra se divertir.

Há muitos outros pontos de mergulho como a Praia do veloso, Ponta da Sela e Ponta da Sepituba.

Abaixo um mapa do Ilha Diverscom pontos de mergulho que dá pra ver até naufrágios.

Como planejar sua viagem

Como ir

  • Carro : Pela Rodovia Tamoios ou BR-101

Pela BR-101, a estrada é cansativa devido à velocidade máxima ser muito baixa, além de ter muitos radares e uma única faixa. Pra quem sai de São Paulo é melhor pegar a Tamoios. A estrada da Serra do Mar é cheia de curvas acentuadas, mas ao menos permite apreciar vários trechos da costa litorânea. Há alguns mirantes para descansar e tirar foto. Saindo da Serra do Mar, você deve seguir até São Sebastião, e no centro terão placas indicando a fila da balsa. É bom prestar atenção pois a sinalização é ruim.

Dica: Na alta temporada, as filas podem demorar muito. Por via das dúvidas, entre no site do Dersa (que administra as travessias de balsa) e reserve o horário com antecedência. A reserva pode ser feita até 2 horas antes da chegada e, apesar ter uma tarifa maior, pode valer a pena a praticidade.

Como não tínhamos reserva e o mês de janeiro é época de férias, a fila sem reserva demorou 2 horas, mesmo com 7 balsas operando. A travessia demora 20 minutos.

  • Os valores da balsa:
    Categoria Dias úteis Sáb, Dom, Feriados
    Moto 9,20 13,80
    Automóveis e caminhonete 18,50 27,70

    Obs: Ciclistas e pedestres não pagam

  • Ônibus :

Saindo do terminal Rodoviário do Tietê, em São Paulo, tem ônibus da Viação Pássaro Marron que vai até o centro de São Sebastião. Depois de lá é só andar entre 15 e 20 minutos até a balsa, que é gratuita para pedestres. O trajeto de ônibus leva 3 horas e meia.

Parte da estrada sentido Ilhabela-Bertioga

Fila da Balsa no mês de janeiro ( 1 hora e meia de espera)

Onde ficar 

Hotel Mercedes (* * * *)

Avenida Leonardo Reale, 2.220, Ilhabela, CEP 11630-000, Brasil

Foi o hotel que escolhi ficar da última vez. A estrutura em si já vale a pena, os quartos são grandes, com opção de varanda, academia e piscina com água natural da cachoeira. A localização é excelente, com a avenida principal passando na porta e a praia do outro lado. O café da manhã é super bem servido, podendo pedir ovo feito na hora ou tapioca e diversas outras opções de frutas, pães, bolos e sucos.

Em frente ao hotel, na prainha, tem um restaurante e um píer com piscina. O lugar é maravilhoso! Dá pra pular do píer pro mar ou ficar assistindo as embarcações passando. No fim de tarde aparecem tartarugas e, com a água calma, dá pra ver peixes nadando. Do lado do hotel também está a Praia do Viana ( que citei aqui no post ).

Rua Dona Isa, 25, Ilhabela, CEP 11630-000, Brasil

Fica em frente à praia do Itaguassu e tem fácil acesso ao centro. O hotel é um CHARME e o serviço dos funcionários é excelente.

Para mais opções de hotéis, visite o site do booking.com

Onde comer

Basicamente todos os restaurantes que visitamos foram indicação do meu amigo Gentil, que também foi nosso super guia na viagem de Cananéia. Ele visita a ilha há muitos anos e conhece muito a região, por isso coloco abaixo as dicas dele e outras imperdíveis:

Restaurante Nova Iorqui

Fica exatamente no final da via asfaltada ao sul da ilha. Não tem como errar! A comida do restaurante já ganhou vários prêmios da VejaSP e é um lugar muito gostoso de visitar. A especialidade deles é peixe, mas também pedimos uma parmegiana que estava uma delícia. O prato serve fácil quatro pessoas, por isso não se assuste se achar o preço alto no cardápio. No final da tarde acompanhe o pôr do sol tomando uma caipirinha de folha de mexerica. O restaurante também é um lindo mirante.

Almoço foi uma parmegiana de robalo e um de filé-mignon, com 3 caipirinhas, 3 refrigerantes, 3 sucos: 420 reais (6 pessoas)

Restaurante do Paulinho

Sempre que vamos à ilha, é parada obrigatória. Meus pais frequentam lá desde quando eram jovens e o restaurante ainda carrega a mesma essência. A comida do Paulinho tem história, tem especiarias e ingredientes da melhor qualidade. Tem gosto de comida caseira, com toque especial e o Paulinho está sempre lá. O prato também é bem servido e vale a pena dividir.

Almoço com esse prato girante da foto (1 porção e meia), serviu 4 pessoas com cervejas e sucos. Tudo por 380 reais (4 pessoas). Almoço pra duas pessoas em média 200 reais.

Hamburgueria da Vila

É um lugar jovem e despojado que lembra aquelas hamburguerias moderninhas de SP. O lanche é maravilhoso e depois ainda vendem sorvete Ben & Jerrys de sobremesa. O preço do hamburguer sai na média de 35 reais o combo com refrigerante e batata.

Gelateria Tradizionale

É pra quem gosta de sorvete de qualidade! O único lugar até hoje que tomei um sorvete de pistache tão bom quanto o meu favorito aqui de Copenhague. Um sorvete com duas bolas custa 13 reais.

A viagem para Ilhabela não poderia ter sido mais perfeita. Pra quem fica um final de semana, ou mais dias, não faltam atividades.

Deixem um comentário sobre o que acharam desse lugar lindo! 🙂

Juliana Proença