Mais além de suas paisagens, edifícios históricos e legado cultural, uma das maiores riquezas da França é a sua gastronomia. Ao ponto de a cozinha francesa ser considerada Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela Unesco.

Paris, naturalmente, é o centro dessa tradição culinária e uma das maiores referências quando o assunto é comer bem. Por isso, é a nossa primeira indicada nessa seleção de bons destinos gastronômicos na Europa.

Dizer que este é um guia dos melhores restaurantes de Paris seria ousado. A verdade é que a cidade tem uma centena de restaurantes estrelados pelo Guia Michelin, reconhecimento atribuído aos melhores estabelecimentos do mundo.

Além disso, se eu desconsiderasse os melhores dos melhores, ainda seriam mais de quinze mil restaurantes distribuídos entre os 20 arrondissements da cidade!!

Se fazer uma seleção dos melhores restaurantes de Paris é extremamente difícil, ter uma boa experiência gastronômica definitivamente não é. A seguir, apresento algumas informações para ajudar você a ter bons momentos à mesa, seja no charmoso café da esquina ou no bistrô tendência.

 

O que eu não devo deixar de comer em Paris?

Alguns pratos da culinária francesa são imperdíveis. Quase todos figuram em cardápios de brasseries e bistrôs parisienses, seja no preparo clássico ou numa adaptação moderna. Não deixe de experimentar:

Escargots: caracóis cozidos, preparados na manteiga com alho e ervas

Foie gras: fígado de pato ou ganso, engordados com uma alimentação forçada que causa a hipertrofia do órgão

Croque-monsieur/croque-madame: um sanduíche de presunto e queijo com molho bechamel gratinado; a variação feminina vem também com um ovo frito

Quiche Lorraine: uma torta salgada à base de ovos, nata e queijo, com bacon, pimenta do reino e noz moscada

Crêpe: uma fina massa de farinha de trigo que pode ser coberta tanto com ingredientes doces quanto salgados (nesse caso, é preparada com farinha sarraceno e chamada de galette)

Steak tartare: carne de vaca crua, servida com cebola, salsas, pimenta do reino e outros condimentos e uma gema de ovo crua

Heather Cowper, CC BY-NC 2.0

Soupe a l’oignon gratinée: a famosa sopa de cebola gratinada

Coq au vin: um prato tradicionalmente preparado com carne de galo (hoje se utiliza mais o frango) e vinho

Boeuf Bourguignon: carne de vaca refogada em vinho tinto, vegetais e condimentos

Magret/confit du canard: peito/coxas de pato cozido lentamente em sua própria gordura

Steak au poivre: um bife, tradicionalmente filé mignon, revestido com grãos de pimenta

Cassoulet: um guisado de feijão branco com carne de ganso, pato, carneiro ou porco; ou seja, uma bela duma feijoada francesa

Ratatouille: prato preparado com diversos legumes, como berinjela, tomate, pimentão, abobrinha, entre outros, e ervas da Provença

 

Os diferentes tipos de estabelecimentos

No Brasil, chamamos qualquer lugar onde possamos fazer uma refeição de restaurante. Na França, o negócio é levado tão a sério que existem diversos tipos de estabelecimentos, cada um com características e nomes próprios.

Essa variedade enormes de bares, bistrôs, brasseries, restaurantes e cafés é justamente o que confere uma atmosfera tão rica à cena gastronômica de Paris. Embora as classificações não sejam rígidas e muitas vezes as diferenças bastante inexpressivas, é interessante entender um pouquinho de cada um.

  • O restaurant é o estabelecimento mais formal, onde os horários e as refeições são bem definidos; as mesas são maiores e mais espaçadas entre si; a cozinha, mais elaborada e refinada; o serviço, mais atencioso e profissional.
  • Bistrô é um estabelecimento menor e mais simples, sem a mesma estrutura ou os luxos de um restaurante; costumam oferecer pratos típicos da gastronomia francesa e abrem em períodos determinados do dia (almoço ou jantar, por exemplo). No começo dos anos 2000 explodiu a onda dos bistronomiques (também chamados de neo-bistrôs): bistrôs gastronômicos, com uma cozinha de alto nível, em espaços menos requintados e a preços mais acessíveis.
  • Cafés são ambientes informais, geralmente abertos de manhã até de noite, isto é, com service continu. Nesses locais você pode tomar um café, comer um docinho, fazer um lanche, almoçar algo simples (como uma quiche ou um croque-monsieur) e mesmo tomar uns drinques à noite (ou de dia, não estamos aqui para julgar!).

John Weiss, CC BY-NC-ND 2.0

  • Originárias do final do século 19, as brasseries surgiram como estabelecimentos voltados principalmente o consumo de bebidas alcoólicas; locais para tomar uma cerveja ou um vinho, eventualmente acompanhado de tira-gostos ou pratos simples. Hoje, a maioria permanece aberta ao longo de todo o dia, como os cafés, e nos horários do almoço e do jantar oferece sempre o mesmo cardápio tradicional. Uma boa pedida são os pratos de frutos de mar, que chegam fresquinhos pela manhã e são mantidos durante o dia em tanques de gelo.
  • Os bars à vin têm como característica principal servir vinhos para degustação, geralmente se vende a taça. Por um tempo, era moda entre os chefs abrir um bar à vin ao lado do seu restaurante estrelado – uma ótima oportunidade para provar uma gastronomia de alto padrão sem gastar tanto. Nesses locais, é comum oferecer comidinhas ou os pratos em formatos de tapas, pequenas porções.
  • Boulangeries seriam o equivalente a nossas padarias, mas, se tratando da França, é claro que vão além disso. Sua especialização é o pão, nos mais variados tipos e sabores. Desde as primeiras horas do dia, vendem croissants e baguetes recém saídas dos fornos. Muitas vezes têm uma área com mesas e cadeiras, o que possibilita ser atendido no local. Já a pâtisserie é uma padaria especializada em bolos e doces, onde você pode encontrar delícias como millefeuille, macarrons e éclair (similar a uma bomba de chocolate). Esses dois estabelecimentos costumam estar juntos. Por fim, a épicerie é uma mercearia chic, com produtos nobres e importados.

 

Onde NÃO comer em Paris?

Na maioria das vezes, o turista acaba fazendo as suas refeições próximo aos atrativos turísticos ou nos arredores do seu hotel, para não perder tempo. O escolhido costuma ser o primeiro lugar charmosinho que aparece na frente. Cuidado! É numa dessas que a gente acaba caindo em armadilhas, principalmente quando buscamos algo mais econômico. Pagar caro por algo que não valia o preço já é uma sensação ruim, mas saber que desperdiçou uma refeição em Paris consegue ser ainda pior.

O melhor para evitar as tourist traps é pesquisar antecipadamente, mas alguns sinais ajudam a detectá-los. O primeiro e mais evidente é quando está escrito nos quadros do lado de fora menu touristique. Não que o menu ou a formule sejam um impedimento, muito pelo contrário, são parte da tradição parisiense (veja a seguir); o problema aqui é o touristique. Além disso, uma regra geral é evitar qualquer restaurante cujo menu tenha fotos gigantescas dos pratos. É em Saint Germain e Montmartre que se encontram as maiores concentrações desses tipos de estabelecimento.

Os parisienses são o melhor termômetro para saber se o lugar vale a pena. Duvide de estabelecimentos onde só se vê turistas e fuja dos restaurantes vazios… geralmente há um motivo para isso!

Quanto custa comer em Paris?

No nosso guia de informações práticas para organizar sua viagem à Paris, dividi os restaurantes em cinco faixas de preços, para dar uma ideia da média de preços.

$ – comida de rua, mercados gastronômicos ou lanches €5-12
$$ – menu do dia em restaurantes simples e intermediários €12-25
$$$ – almoço ou jantar à la carte em bons restaurantes €30-60
$$$$ – menus em restaurantes renomados (1 estrela michelin) €60-100
$$$$$ – jantar à la carte ou menu degustação em restaurantes estrelados (2 ou 3 estrelas Michelin), a partir de €200

O mesmo critério foi utilizado na seleção desse artigo. Um restaurante que cai na categoria $$-$$$, por exemplo, pode ter um serviço à la carte mais caro ao mesmo tempo que oferece um menu econômico, seja no almoço ou no jantar.

Aliás, essa é a melhor maneira de ter uma boa experiência gastronômica sem gastar tanto: priorizar o horário do almoço e escolher bons restaurantes que oferecem menu du jour, geralmente com entrada, prato e sobremesa. A chamada formule é a sua versão reduzida: pode ser a entrada + prato ou o prato + sobremesa. Hoje é cada vez mais comum ver os restaurantes oferecendo também apenas o plat du jour, nada mais que o prato do dia. Eventualmente, esses menus especiais vem acompanhados de uma taça de vinho ou de um café.

 

Minhas recomendações

Rue Sainte Anne   ($)
1ème, 2ème
Ao longo dessa rua você vai sentir o clima e os aromas orientais. É uma sequência de vários restaurantes japoneses que oferecem pratos fartos e menus econômicos por uns €10, em um ambiente bastante simples (pra não dizer feinho). Destaque para o Higuma, que tem os melhores gyozas de Paris.

 

L’As du Fallafel   ($)
32-34 Rue des Rosiers, 4ème
Um cláááássico de Paris, que faz sucesso até entre aqueles que tem dinheiro para esbanjar. O restaurante oriental no Marais faz tanto sucesso que não é raro ter que encarar fila. O carro-chefe é o sanduíche de falafel no pão pita, com um berinjela e hummus delícia. Você sai satisfeito por menos de €8.

 

Marché des Enfants Rouges   ($)
39 Rue de Bretagne, 4ème
Também situado no Marais, esse mercado é o mais antigo da cidade, original do século 17. Além das bancas de frutas, legumes, peixes e carnes, você encontra barraquinhas que vendem comidinhas prontas: árabe, marroquina, italiana, crepe, de tudo um pouco. É possível comer bem por até €12.

 

Bouillon Chartier   ($$)
7 Rue du Faubourg Montmartre, 9ème
Um dos restaurantes remanescentes da Belle Époque, serve o mesmo cardápio da cozinha francesa clássica desde a sua inauguração no século 19. Decoração nostálgica, preços mais que convidativos (entradas e sobremesas por menos de €5, pratos principais entre €8 e 14). Tem que chegar cedo: não aceita reserva e o lugar tem fama entre turistas e parisienses.

Breizh Café   ($$)
109 rue Vieille du Temple, 3ème
Citada por muitos como a melhor creperia de Paris, serve tanto as galettes salgadas quanto os crepes doces, em uma infinidade de sabores. As porções são enormes, suficientes para uma refeição. O ambiente é apertadinho, mas o clima é muito gostoso. Preços €12 e €20.

 

Au Pied du Cochon   ($$)
6 Rue Coquillière, 1er
Uma das brasseries mais conhecidas de Paris, permanece aberta 24h por dia, todos os dias do ano. A especialidade é a carne de porco; o prato que dá nome ao restaurante, o pé de porco, pode ser um pouco demais, mas a bochecha de porco é saborosa. A sopa de cebola da casa também faz sucesso. Decoração típica, com cadeiras vermelhas, muito dourado, espelhos e lustres; ambiente animado, às vezes barulhento. Os pratos variam entre €10 e €30 e as porções costumam ser grandes.

 

Le Cambodge   ($$)
10 Avenue Richerand, 10ème
Como o nome indica, esse restaurante na região do canal Saint Martin é especializado em comida cambojana. A fila na porta já dá o tom da sua popularidade (vá cedo para conseguir mesa, eles não aceitam reserva).

A melhor pedida é o tradicional bun bo, um tipo de sopa condimentada com massa, salada e um acompanhamento, que pode ser carne bovina, camarão ou apenas legumes. Se come bem com €15.

 

Café Le Buci   ($$)
52, rue Dauphine, 6ème
Um desses célebres cafés do século 19, está em um dos pontos mais turísticos de Saint Germain. Ainda sim, oferece um bom custo benefício e opções bem interessantes de formule no horário do almoço: €14 o prato e uma bebida à escolha; à noite e nos fins de semana, o preço sobe para €18.

 

Le temps des Cerises   ($$)
31, Rue de la Cerisaie, 4ème
Pequeno bistrô em uma rua tranquila do Marais, sua fachada não dá pistas da bela experiência que se pode ter adentro. Com um atendimento atencioso e um ambiente intimista, o restaurante frequentado principalmente pela população do bairro oferece uma cozinha francesa contemporânea. Os pratos são bem servidos e não são caros, entre €17 e €23; o menu custa em torno de €20.

 

L’Avant Comptoir   ($$$)
3 Carrefour de l’Odéon, 6ème
Esse é um dos segredos bem guardados dos parisienses. Trata-se de um bar à vin com petiscos gourmet, dirigido pelo chef Yves Camdeborde, que têm seu restaurante famoso ao lado, o Le Comptoir du Relais (€40-60 na hora do almoço e €60-100 no jantar). Mas aqui, no Avant (antes, em francês), a ideia é ficar no balcão, beliscando os aperitivos e bebendo uma taça de vinho. Tanto é que nem mesa tem! Cada porção, maravilhosamente preparadas, sai entre €6 e €8 (para realmente matar uma fome, espere gastar pelo menos uns €30).

 

Les Cocottes   ($$$)
135 Rue Saint-Dominique, 7ème
Restaurante do premiado chef Christian Constant, serve os pratos em tradicionais panelas de ferro, similar a uma pequena caçaroça, que em francês se chamam cocottes (vulgarmente, essa palavra também designa uma mulher promíscua). O ambiente é moderno e descolado. Entradas custam entre €7-12 e pratos €18-30. Ideal para o dia que você estiver passeando pelos arredores da Torre Eiffel.

Planeje sua viagem com o MundoMio
Reserve seu hotel
Garanta seu seguro viagem
Alugue um carro
Garanta seu ingresso para atrações