Há muito tempo eu vinha planejando conhecer Paris em uma das minhas férias, mas acabava adiando por sempre escutar um mix de opiniões sobre a cidade. Este ano, no entanto, decidi incluir a cidade luz ao meu roteiro de viagem entre amigas e, assim, poder tirar minhas próprias conclusões.

A experiência que tive em Paris fez com que as reclamações que ouvi durante os últimos anos caíssem por terra. Voltei de viagem encantada pela capital francesa. Talvez não tenha ficado tempo suficiente para enxergar além das partes boas (ou tudo seja exatamente como presenciei). A verdade é que eu não vejo a hora de retornar e desbravar um pouco mais a cidade luz.

  • Primeiras impressões 

  • A arquitetura é linda, exatamente como nos filmes. A maioria dos prédios é na cor branca e telhados claros, o que dá uma impressão de cidade ampla e limpa.
  • As pessoas são muito estilosas!! Não é à toa que Paris está entre as três cidades que costumam disputar o título de capital fashion mundial, ao lado de Londres e Nova York.
  • Há milhares de cafés e restaurantes charmosos por todos os cantos. As mesinhas na rua ficam todas juntinhas umas às outras e as pessoas sentam quase que coladas com a mesa ao lado.
  • Parlez-vous anglais? (Você fala inglês?) – existe uma certa reputação de que as pessoas não gostam de falar inglês na França, porém não tivemos nenhum problema! Quando o diálogo começava com “Parlez-vous anglais?”, as pessoas foram super gentis e fizeram um esforço maior para ajudar.
  • Você não precisa fazer curso de francês antes de viajar, mas falar algumas poucas palavras abrem portas:

Bonjour / Bonsoir – Bom dia / Boa noite

Merci – Obrigado

Pardon – Desculpe

  • A cidade é separada em 20 distritos, sendo os primeiros 8 mais centrais. O número 1 fica no centro e assim os número vão aumentando ao redor do centro.
  • Os franceses não devem comer os próprios croissants. A maioria dos moradores tem um porte magro.
  • Os taxistas não falam inglês ou simplesmente não conversam. Calado você entra, calado você sai.
  • Quanto tempo ficar

Paris é o destino ideal, seja para ficar um simples fim de semana ou quantos dias desejar. Tudo irá depender de quanto tempo você tem e qual o orçamento. É possível conhecer os pontos turísticos dos cartões postais em dois dias. E, se tiver mais dias, pode explorar os jardins, igrejas, museus, street markets (feiras de rua), lojas e muito mais.

Uma ótima opção pra quem tem poucos dias é usar os ônibus turísticos que fazem aquele tour geral e você pode entrar e sair quando quiser.

A sensação que tive foi que, mesmo andando, visitando e aproveitando cada segundo, sempre faltará conhecer algo!

  • Quando ir

Existem fãs para cada estação do ano em Paris. Eu fui em setembro, mas voto pelos meses de outono, que não são muito quentes nem muito cheios.

Com relação à temperatura, os melhores meses para visitar são entre abril e junho e, no outono, de setembro até começo de novembro. Os meses com grande número de turistas na cidade são julho e agosto, que também são os meses mais quentes.

As férias de inverno prometem ser também muito aconchegantes com todas as luzes e festividades de Natal e Ano Novo, além de ser possível encontrar taxas mais baratas de hotel de novembro a fevereiro. Lembrando que é necessário investir um pouco mais nas roupas de inverno e estar ciente que algumas atrações não abrem durante as festas de final de ano.

  • Onde ficar (hotéis e hostels) em Paris

Se você escolher uma hospedagem em qualquer bairro em Paris, mesmo os mais distantes, que esteja perto de uma estação de metrô, já será um bom negócio! Dizem que cada bairro tem uma vibe diferente, mas levando em conta que você passa a maior parte do tempo passeando pela cidade, o bairro que você volta para dormir pode ser até um pouco mais afastado.

Da última vez que visitei Paris, fiquei no Generator Hostel, no 10º distrito e não achei que fosse longe ou de difícil acesso. Fica a 1,3km do centro, os quartos são super modernos e ambiente é bem descontraído. Eu vi desde jovens mochileiros até familias de 4 pessoas se hospendando lá. O wifi também é muito bom e é pertinho da estação de metrô.

thinklink.com

  • Como se locomover

O transporte público é fácil de entender e é acessível. Se precisar de uma ajudinha, o aplicativo de celular chamado RATP ajuda a traçar a rota.

Dica: Lembre-se de guardar o bilhete do metrô para usá-lo na catraca de saída também.

Se quiser um pouco de conforto sem pagar muito, use UBER!

Se você tem pouco tempo, compre um bilhete para o Hop-on Hop-off, que são aqueles ônibus turísticos abertos. Eu comprei os tickets da Paris L’open Tour, com 4 rotas diferentes de passeios e bem completas. Além disso, tem o áudio em português que é super bacana. As vozes que narram a histórias dos lugares são animadas e você consegue acompanhar tudo sem se distrair.

O passeio de barco pelo Sena também é uma ótima forma de passear e conhecer a cidade por outra perspectiva, mas esse é um pouquinho mais caro.

obs: no final do artigo você pode encontrar uma tabela com todos os gastos da viagem.

O que fazer 

Prepare-se para andar muito! Principalmente se tiver poucos dias, porque a caminhada acaba otimizando seu tempo. Teve dia que eu e minhas amigas chegamos a andar 13km. Acredite se quiser! Eu sabia que não daria para fazer tudo em 3 dias e, assim, criamos uma lista de prioridades do que gostaríamos de ver. Compramos todos os tickets pela internet para poupar tempo e encararmos os principais atrativos:

Torre Eiffel

Logo quando saímos da estação de metrô Champ de Mars/Tour Eiffel não avistamos a torre de primeira (por um momento achamos que estávamos no lugar errado). A torre é menor do que se espera, mas de perto ela é linda e imponente. Andamos até o parque Champ de Mars, onde a vista da torre é exatamente como nos filmes: com centenas de pessoas disputando um cantinho para a foto. O que mais me impressionou foi a mudança de cor da Torre Eiffel com o reflexo do sol, dava um aspecto dourado na sua estrutura que quase parecia estar acessa. Eu tirei centenas de fotos, claro.

Se vale a pena subir na torre? Se tiver tempo e dinheiro, sim ! O ticket não é barato e as filas são demoradas. Mas é o tipo de passio a se fazer uma vez na vida. Há ainda duas opções de ingresso: um que dá acesso somente até o segundo andar e outro que dá acesso ao topo. Eu comprei apenas até o segundo andar, de onde pode-se ter uma vista deslumbrante da cidade.

O problema, no entanto, é que mesmo comprando o ticket pela internet, as filas são igualmente gigantes. Foram duas até que pudêssemos acessar o elevador da torre e levou quase uma hora. Eu não indicaria esse passeio pra quem está com o itinerário apertado ou quer economizar uma grana.

Dica: A melhor vista da Torre na verdade é do lado oposto do Rio Sena, um lugar chamado Trocadéro, que pode ser acessado pela estação de metrô Trocadéro na linha 9 e 6 do metrô.

Como chegar: 

Estação Trocadéro (Linha 9): 5 minutos a pé

Estação École Militaire (Linha 8): 5 minutos  a pé

Estação Bir-Hakein (Linha 6): 3 minutos a pé

Estação Champs de Mars (Linha C ReR): 1 minuto a pé

Quanto custa:

Torre Eiffel até o segundo andar: 35 euros

Torre Eiffel até o segundo andar + Passeio no Rio Sena: 45 euros

Torre Eiffel com acesso ao topo: 60 euros

Mais informações sobre ingressos aqui

Quanto tempo: No mínimo 2 horas por causa das filas

Torre vista do Camps de Mars

Cidade vista de cima

Rio Sena visto da Torre Eiffel

Ventos parisienses

Trocadéro visto da Torre Eiffel. É de lá que se tem a melhor vista da Torre Eiffel

O Louvre

Um passeio que pode gerar opiniões diversas por ser considerado cansativo. Mas, se for feito do jeito certo, pode ser um passeio MARAVILHOSO! O Louvre é um museu gigantesco, tanto que poderia levar até uma semana se fôssemos conhecê-lo inteiro e minuciosamente. O problema é que a maioria das pessoas, assim como eu, não tem tempo suficiente para isso e precisa fazer o passeio de forma objetiva, mas sem perder as principais obras . Aí vem a dica chave: procurar um(a) guia brasileiro(a)!

Tour Guiado em Português: procurando na internet não foi muito fácil achar um guia oficial brasileiro. Não há dúvidas de que a visita seria bem menos proveitosa se não tivéssemos encontrado a nossa guia, a Andréa. O nosso tour levou duas horas. Ela já encontrou a gente com os ingressos em mãos e não precisamos pegar nenhuma fila. Além de nos orientar super bem, ela respondeu todas as nossas curiosidades e ainda tinha uma pasta com informações históricas e alguns detalhes ampliados das obras que não conseguíamos ver a olho nu.

O roteiro começou com a história do museu e como ele se tornou o que é hoje, passamos pela ala egípcia rapidamente e seguimos em direção as esculturas dando maior atenção à Vênus de Milo, Hermafrodita dormindo, Marsias no suplício, Diana de Versailles, a escultura da vitória de Semotrácia e o beijo do cúpido. Também vimos as pinturas de Andrea Mantegna, Leonardo de Vinci (incluindo a pequena Monalisa), Louis David e Eugène Delacroix.

Fazer o tour guiado nos polpou todo o trabalho de saber onde ir e o que ver. Foram duas horas de passeio que renderam muito!

Contatos da Andréa:

www.visitasguiadasemparis.com

Tel:+33(0) 7 82 58 80 62

[email protected]

Quanto custa: Ticket de um dia para Louvre 15 euros + 4 euros  de reserva (você pode comprar aqui)

Ticket de um dia + guia de áudio: 35 euros (aqui)

Ticket de um dia + guia em português: 55 euros

Como chegar: Estação Palais-Royal–Musée du Louvre (Linha 1)

O ônibus do L’Open Tour Paris para em frente à pirâmide. Já os ônibus circulares que param na porta são: 21, 24, 27, 39, 48, 68, 69, 72, 81 e 95

Quanto tempo: o tour guiado leva duas horas. Sem guia é possível ficar quanto tempo quiser, mas o ingresso é válido apenas para um dia de museu

Clássica com o Louvre

Vista de dentro do Museu

Vênus de Milo

Hermafrodita dormindo

Tour Guiado em Português

Por trás dos bastidores – Monalisa

Salas lotadas do Louvre

Champs-Élysées e Arco do Triunfo

A Champs-Élysées é avenida mais famosa da cidade e também um dos endereços mais caros do mundo. É repleta de lojas de artigos de luxo, cafés e restaurantes. O engraçado é que, mesmo lojas globais como H&M e Zara parecem ter uma seleção mais fina de roupas nessa localidade. É bem legal dar uma volta a pé pela via, mesmo que não queira comprar nada ou não queira entrar nas lojas. A Champs-Élysées também é famosa pelo alinhamento perfeito de suas árvores.

Na parte mais baixa da Champs-Élysées está a Praça Concorde e na parte mais alta está o Arco do Triunfo, outro monumento representativo de Paris. O arco do Triunfo está localizado na praça Charles de Gaulle e  foi construída para comemorar a vitória do exército francês sob o comando de Napoleão Bonaparte. É possível acessar o arco por passagens subterrâneas. Atravessar pela rua é extremamente perigoso.

Eu já vi avenidas caras mal cuidadas, mas a Champs-Élysées é extremamente limpa e organizada.

Como chegar: Champs-Élysées-Clemenceau (linhas 1 e 13)

Ao Arco do Triunfo: Metrô Charles de Gaulle – Etoile ( Linha 1,2 e 6)

Ônibus: 22, 30, 31, 52, 73 e 92 ou o L’Open Tour Paris bus

Quanto custa: 

Para subir no monumento: adultos pagam 8 euros/ gratuito para crianças

Se vale a pena? Como minha viagem era curta, não perdi tempo subindo ao topo. A vista de baixo já é bem bonita.

No dia 14 de julho, que é Dia da Bastilha, há um desfile na Champs-Élysées que vale a pena pagar o ingresso para ver o colorido da Avenida do alto do Arco do Triunfo.

Arco do Triunfo

Arco visto de longe na Champs-Élysées

Foto clássica com o Arco do Triunfo

L’Open Tour Paris- vista do ônibus turístico

Passeio de barco no rio Sena

Um passeio lindo que possibilita ver a cidade por outra perspectiva. Meu bilhete para o Sena estava incluído no ticket da Torre Eiffel, porém não era obrigatório fazer o passeio de barco logo em seguida. Resolvemos fazer um dia depois do passeio ao Louvre. O barco tem espaço para muitas pessoas, o que gera muito conforto. Por estar um pouco frio nesse dia, sentamos do lado de dentro e, mesmo assim, pudemos apreciar a vista da cidade.

O barco passa por um total de 12 pontes e o passeio dura em torno de 1h30. No trajeto, pode-se ver um grande número de pessoas sentadas à beira do rio para curtir um vinho entre amigos, gente correndo ou tirando um cochilo, além dos lindos apartamentos à beira do rio.

Quanto custa: 

Torre Eiffel + Passeio de barco: 45 euros

Só passeio de barco: 15 euros

Mais informações sobre tickets aqui

Quanto tempo: 1 hora e 30 min

Como chegar : 

Metrô Bir-Hakein (Linha 6) ou Trocadéro (Linha 9) e andar até o píer

Ônibus 42 ou 92 ou ônibus turístico

Jardim de Giverny e o Castelo de Versailles

Devido aos poucos dias de viagem, a melhor forma que encontramos para visitar o Jardim de Monet em Ginverny e o Castelo de Versailles seria fazer um passeio 2 em 1. A ideia foi bacana, mas confesso que, no final, o tempo de passeio ficou longe de ser o suficiente. Ambos os passeios exigem pelo menos meio período do dia.

Como o Castelo de Versailles estava em greve e só abriria na parte da tarde, o passeio começou pelos jardim de Monet. O trajeto saindo de Paris até a Alta-Normandia leva em média 1h. A cidade de Giverny é super charmosa, cheia de casinhas fofas e flores, muitas flores. Não é à toa que Claude Monet se apaixonou pelo local em 1883.

O tour começa nos jardins de Monet, que tem duas partes: o Clos Normand e o Jardim das Águas, localizado do outro lado da rodovia em que é necessário usar um túnel que liga as duas propriedades. No Clos Normand há centenas de espécies de flores, dos mais diferentes tamanhos, formas e cores, com ou sem perfume. Havia dezenas de flores que nunca tinha visto antes.

Ficamos quase uma hora e meia no primeiro jardim, onde também se encontra a casa super graciosa do Monet. No final tivemos que correr para o Jardim das Águas onde é possível ver as pontes japonesas, os bambus e as vitórias-régias famosas nos quadros que ele pintava.

Nesse passeio também contratamos uma guia brasileira e, no total, éramos 7 pessoas no grupo. Foi super tranquilo para ouvir e acompanhar, já que todos tínhamos um fone de ouvido que transmitia toda a explicação da guia.

Saindo do jardim em Giverny, seguimos para um restaurante nas proximidades onde teríamos almoço incluído. Essa parada levou cerca de 1h30 e foram servidos 3 pratos (entrada, prato principal e sobremesa). Além disso, vinho à vontade.

O tour pela parte principal do Castelo foi relativamente rápido, em torno de 1h. No entanto, as salas estavam tão cheias que era difícil de se locomover e achar um espaço bom para ouvir a explicação da guia. No final, sobrou apenas meia hora para conferirmos o Jardim de Versailles, o que foi insuficiente, já que este é o maior jardim do mundo. Andamos apenas uns 200 metros, até a região da fonte e logo tivemos que voltar.

Pra quem está indo com pouco tempo (mas, por favor, mais do que 30 minutos) tem uma opção boa de alugar um carrinho de golf. Eu vi algumas pessoas utilizando e achei uma ótima idéia. Se eu tivesse pelo menos uma hora para explorar o jardim, sem dúvida seria uma das minhas opções.

Como chegar: A forma mais fácil e prática é fazer através de agências de turismo. Nós fizemos pela Paris City Vision. A desvantagem é apenas tempo o curto  para o passeio.

Se você quiser fazer esse roteiro independente, há a possibilidade de ir de trêm + ônibus ou alugar um carro.

De metrô: Sair da estação Gare St.-Lazare (Linhas 3, 12, 13 3 14) e linha E de RER. Pegar o trem sentido Vernon que leva em média 50 minutos. Da estação, pegar o ônibus para Giverny que vai direto ao jardim. Tudo é bem sinalizado.

Quanto custa: Todas as passagens podem ser compradas pela internet e, assim você não terá que enfrentar filas nas estações ou quando chegar nos jardins

Trem de Gare Sr. Lazare a Vernon: em média 15 euros

Ônibus circular de Vernon a Giverny: 10 euros ida e volta (compra com o motorista do ônibus)

Ingresso Jardins: 10,20 euros para adultos e crianças de até 7 anos não pagam.  Para facilitar e não pegar fila, dá para comprar o ingresso online pelo site oficial

Tour Paris City Vision : 190 euros

Apenas o Castelo de Versailles com jardins: 20 euros

Para ver os preços atualizados clique aqui 

Montmartre

O bairro de Montmartre é super boêmio. As ruazinhas são charmosas, com diversos restaurantes, cafés e lojinhas.  Nas ruas encontramos artistas, muitos turistas e vendedores ambulantes. O clima é bem legal e é gostoso ter tempo pra curtir o bairro com calma.

Infelizmente, quando fomos já era um pouco tarde (por volta das 20h). Descemos na estação de Abbesses e andamos em direção ao topo da colina, onde está a Basílica do Sagrado Coração (Basilique du Sacré-Cœur). Mesmo tarde, ainda havia alguns pintores vendendo seus quadros, músicos na rua e muitos restaurantes abertos. Decidimos então ver a vista da cidade pela Basílica e procuramos um restaurante para comer com música ao vivo.

Foi uma ótima maneira de fechar a noite! Se você quiser desfrutar mais, recomendo muito ir mais cedo ao bairro.

Outros lugares que valem uma visita:

Museu D’orsay

Jardim du Luxembourg e Jardim des Tuileries

Catedral de Notre Dame

 

  • Dica de Roteiro ideal para 3 dias ou 4 dias 

Dia 1 : Torre Eiffel / Praça da Concórdia , Champs-Élysées e Arco do Triunfo / Bairro de Montmartre e Basílica de Sacre Coeur;

Dia 2 : Museu do Louvre e  Jardin du Tuilleries / Galerias Lafayette – Museu D’orsay / Quartier Latin e Pantheon e Jardin de Luxembourg;

Dia 3 : Catedral de Notre Dame / Caminhar pelas ilha de la Cité e ilha St. Louis no meio do Sena / Mercado das Flores (Flower Market) / visitar a capela gótica de Sainte-Chapelle/ Passar pela Conciergerie e terminar da charmosa Praça des Vosges;

Dia 4 : Jardins de Giverny e Castelo de Versailles.

Dicas:

  • Esse roteiro foi baseado em lugares próximos uns aos outros. Caso você não goste de algo, pule para o próximo e siga na direção do roteiro. Se terminar o dia com a noite livre, visite algum restaurante legal ou um musical como o Moulin Rouge se for do seu gosto.
  • Se possível invista em um passeio com ônibus turístico: além de poupar as passagens de transporte público, ainda é possível explorar a cidade e passar por pontos turísticos não incluidos no seu trajeto.
  • Esse roteiro é para quem gosta de aproveitar ao máximo e bater muita perna. Se você tem mais dias em Paris, visite um número menor de atrativos por dia e aproveite cada um ckm mais calma.

 

  • Diário de Gastos
Passeios Valores
Táxi aeroporto ORY até Hostel 10 distrito 40
Generator Hostel 3 dias 90
Cafe da manhã no Le Bistro 13
Metrô ticket diário – dia 1 7,20
Torre Eiffel + Passeio de barco pelo Sena 45
Café da manhã -Generator Hostel 8,50
Ônibus turístico -L’Open Tour Paris 33
Metrô Ticket diário – dia 2 7,20
Museu do Louvre com guia 55
Montmartre – Jantar e vinho 26
Café da manhã 12
Passeio Giverny e Versailles 190
Café da manhã – último dia 12
Taxi Hostel até aeroporto do Gaulle 50
Total 588
  • Visto e Documentos

Não é necessário ter visto, desde que o período da viagem não exceda 90 dias. O passaporte deve ter validade mínima de 3 meses da data de entrada no país. Além disso, é importante ter:

-Passagem de volta já comprada para o Brasil;

-Seguro viagem;

-Comprovante de acomodação;

– Comprovante dos meios de subsistência: 65 euros por dia se for se hospedar em hotel e 32,50 euros por dia se for se hospedar com algum conhecido.

obs: Nem sempre são pedidos todos esses documentos na imigração, mas é bom tê-los em mãos.

*Dados retirados do site da AirFrance Brasil