Informações práticas para planejar sua viagem a Paris

Nesse guia você vai encontrar algumas informações essenciais para saber como organizar sua viagem para Paris. Nos próximos dias vamos postar nosso guia completo da cidade: os principais atrativos, roteiros, como se locomover, onde ficar, onde comer e o que fazer à noite.

 

Torre Eiffel

 

Língua

O idioma oficial é o francês, bien sûr. E dizem as más línguas que os franceses não são os mais amigáveis quando se trata de falar qualquer outro idioma que não o seu. Um pouco desse estereótipo, devemos admitir, é verdade.

Nada que te obrigue a marcar um cursinho de francês junto com a reserva da passagem. Je suis désolé, je ne parle pas français. Parlez-vous anglais? Um pouquinho de esforço da sua parte em iniciar o diálogo com a língua de Moliére certamente será recompensado com um maior cuidado no seu pedido.

No francês, o uso da formalidade e informalidade é bem marcado. De forma geral, você usa as conjugações do pronome “tu” para pessoas íntimas e “vous” para quem você não conhece.

A seguir, algumas expressões para te ajudar:

Pequeno dicionário de expressões úteis

Salut – Olá
Ça va? – Tudo bem?
Bonjour – Bom dia
Bonsoir – Boa noite
Oui – Sim
Non – Não
Peut-être – Talvez

Merci (beaucoup) – (Muito) Obrigado
Je vous en prie / De rien – de nada
Pardon – Desculpe
Je suis désolé – Sinto muito
Excusez-moi – Com licença
S’il vous plaît – por favor
Je ne sais pas – Eu não sei

Ouvert – aberto
Fermé – fechado
Entrée – entrada
Sortie – saída
Poussez – Empurre
Tirez – Puxe
Interdit – proibido

Combien ça coûte? – Quanto custa?
Oú est l’hôtel / le restaurant / la pharmacie / le distributeur? – Onde é o hotel / o restaurante / a farmácia / o caixa eletrônico?

Oú se trouve l’arrêt de bus le plus proche?  – Onde se encontra a parada de ônibus mais próxima?
Oú se trouve la station du métro la plus proche? –  Onde se encontra a estação de metrô mais próxima?

 

Moeda e câmbio

A moeda utilizada por aqui é o euro, embora alguns franceses ainda sejam saudosistas do franco. Como em toda a União Europeia, você encontra bilhetes de €5, €10, €20, €50, €100, €200, €500, e moedas de 1, 2, 5, 10, 20, 50 centavos e €1 e €2.

Vale comentar que a nota de €500 não costuma ser bem aceita no comércio. O melhor é evitar esse bilhete ao fazer câmbio ou guardar a nota para pagamentos mais expressivos, como hotéis.

Como regra geral, não vale a pena levar reais para a zona do euro. Nossa moeda não tem muita procura no continente europeu e, portanto, a cotação não é das melhores. O ideal é comprar euros no Brasil ou levar outra moeda forte que você já tenha (como dólar ou libra) e trocar por lá.

Você também pode contar com um cartão de crédito, de débito ou pré-pago habilitados para uso no exterior, incluindo a possibilidade de saque em caixas eletrônicos. Porém, lembre-se que sobre essas alternativas incide o IOF de 6,38%.

Para conseguir a melhor taxa de conversão, confira sites como o Melhor Câmbio, que compara a taxa de diversas moedas de casas de câmbio em todo o Brasil, e o Bureau Change, que faz o mesmo processo lá na França.

Custos

Todos esperam um uma resposta precisa, um número exato, à velha pergunta “Quanto custa viajar para Paris?”. A verdade é que depende. Depende de você, do seu estilo de viagem, dos lugares que visitará.

Reuni uma média de valores de três perfis diferentes para você escolher o que melhor se adequa a sua viagem e faz o seu próprio cálculo!

Hospedagem

$ – hostels, cama em dormitórios €20-€45, quartos privativos €70-€100
$$ – hoteis de bom custo-benefício ou apartamentos simples (airbnb) €100-200
$$$ – hotéis boutique ou 4-5 estrelas em localizações privilegiadas – a partir de €250

Comida

$ – kebab ou crepe na rua €5
$$ – menu do dia em restaurantes simples e/ou turísticos €15-20
$$$ – almoço ou jantar em restaurantes intermediários, sem vinho €30-60
$$$$ – almoço em restaurantes renomados €100
$$$$$ – menu degustação em restaurantes estrelados (2 ou 3 estrelas Michelin) – a partir de €200

Atrações

$ – igrejas, parques, praças e caminhadas às margens do Sena são grátis!
$$ – entrada em atrativos e museus €10-15, como o  Louvre €15 e o d’Orsay €13,50
$$$ – Torre Eiffel até o topo de elevador €25, Passe Paris Museum 2 dias €48 | 4 dias €62 | 6 dias €74

Transporte

$ – passe individual do metrô €1,90 ou diária de bicicletas vélib €5
$$ – 10 passes de metrô €14,90
$$$ – corridas na região central de Paris de uber €8-30

 

Gorjeta

Nos restaurantes de Paris, o serviço de 15% já vem incluído na conta sob o a indicação “service compris”.

Porém, se você foi bem servido e quiser agradar o garçom, pode deixar €1 no café ou alguns euros no restaurante, embora não seja uma obrigação. A regra é aproximadamente 5% de gorjeta suplementar.

Em hotéis, €1 por mala é apreciado pelos carregadores. Já nos táxis, você pode arredondar o valor para cima.

 

A Cidade

Surpreendentemente, Paris é uma cidade pequena: você consegue atravessá-la, de norte a sul, em apenas 2h de caminhada.

Os bairros da cidade, chamados de arrondissements (se pronuncia “arrondismã”), são numerados de 1 a 20 e estão dispostos no formato de um caracol (como os escargots, que os franceses tanto apreciam!). Quanto menor o número, mais central é o bairro.

Quase todos os bairros têm atrações que merecem ser vistas, mas os cartões postais da cidade se concentram entre os arrondissements de 1 a 8.

Para saber em qual bairro você se encontra, basta olhar para uma placa de rua, ali estará escrito o bairro correspondente. Outra maneira de identificar o endereço é por meio do CEP, que sempre tem 5 dígitos, começando com 75, seguido de 0 e o número do arrondissement equivalente (por exemplo, o 4ème arrondissement tem como CEP 75004).

 

 

Para além disso, a cidade é dividida em Rive Gauche, os bairros à margem esquerda do rio Sena, ao sul, e Rive Droite, margem direita, ao norte.

Algumas regiões dentro de um arrondissement são chamadas por um nome específico, como o Marais no 4ème. E às vezes uma dessas regiões se espalha por mais de um arrondissement, como o Quartier Latin no 5ème e 6ème. Um pouco confuso, né? Mas não se preocupa, você pega o jeito!

 

Aeroportos

Paris é servida por dois aeroportos internacionais na região metropolitana: o Charles de Gaulle, maior e mais importante, e Orly, mais próximo. A aproximadamente uma hora e meia da cidade está o Beauvais, utilizado principalmente por companhias aéreas low-cost, como a RyanAir e a WizzAir.

O sistema de transporte público da cidade é muito eficiente e oferece diversas alternativas para chegar ao centro a partir desses aeroportos. Antes de definir o melhor meio, confira esse artigo para entender melhor como se locomover em Paris, os passes disponíveis e como economizar.

Charles de Gaulle

Nesse aeroporto, situado a 30km do centro de Paris na cidade de Roissy, chegam todos os vôos diretos do Brasil para a França, das companhias Air France e Latam.

  • Taxi: ignore os que oferecem serviço de taxi no desembarque e rume para a fila oficial. As tarifas são fixas: €50 para a Rive Droite e €55 para a Rive Gauche.
  • Ônibus especial: duas empresas oferecem o translado do aeroporto para o centro da cidade, com paradas em pontos distintos. A RoissyBus tem parada em todos os terminais, saídas a cada 15-20h entre 5h15 e 22h, custa €12,50 e leva 60min para chegar à parada final em frente a estação Opéra (entre as ruas Scribe e Auber). Já o Le Bus Direct passa somente pelos terminais 1 e 2, mas tem mais opções de ponto final: uma linha deixa os passageiros na Av. Carnot, do ladinho da estação Charles de Gaulle-Étoile (linhas de metrô 1, 2 e 6 do metrô e RER A), com uma parada intermediária na Porte Maillot (linha 1 e RER C); e a outra linha deixa nas estações Gare de Lyon (linhas 1 e 14, RER A e D) e Gare Montparnasse (linhas 4, 6, 12 e 13); passagem 17 euros.
  • RER: também é possível chegar ao centro com a rede ferroviária urbana de Paris. A viagem leva aproximadamente 50 minutos e custa €10, podendo utilizar o mesmo bilhete na rede de metrô.

Orly

A 20km ao sul de Paris, o aeroporto de Orly recebe vôos domésticos e internacionais principalmente de dentro do território europeu.

  • Taxi: o valor é bem razoável, especialmente se dividido entre duas pessoas, €30 para a Rive Gauche e €35 para a Rive Droite.
  • Ônibus: quem estiver por conta própria, vai economizar mais pegando o ônibus. O Orlybus, um ônibus de linha utilitário, conecta o aeroporto à praça Denfert-Rochereau (linhas de metro 4 e 6, RER B) e custa €7,70; o Le Bus Direct, mais confortável, tem paradas na Gare Montparnasse (linhas 4, 6, 12 e 13) e na estação Charles de Gaulle – Étoile (linhas 1, 2 e 6, RER A), junto ao Arco do Triunfo, custa €18.
  • Orlyval + RER B: transporte moderno, o Orlyval é um monotrilho utilizado unicamente para conectar (em menos de 10min) o aeroporto à estação Antony, de onde é possível pegar os trens RER B para outras estações no centro da cidade – as principais são Denfert-Rochereau, Saint-Michel, Chatelet-Les Halles e Gare du Nord. Essa combinação custa €12,05 e dá direito a usar também o metrô.

Beauvais

O único jeito de ir e voltar do Beauvais, a 75km de distância do centro, é com o ônibus oficial do aeroporto, cujo horário é conectado com os voos. O ponto final fica na Porte Maillot (metrô linha 1), no estacionamento Pershing, e custa €17 (€15,90 se comprado online). Para ir ao aeroporto, o recomendado é estar no estacionamento 3h antes da partida do voo.

 

Quando ir

Não existe época imprópria para Paris, mas existem fãs para cada estação do ano. Eu fui em setembro, já no finalzinho do verão, mas voto pelos meses de outono, de setembro até o começo dezembro, que não são muito quentes e a cidade não está muito cheia. Também agradável em relação à temperatura são os meses de primavera, entre final de março e junho.

A alta temporada coincide com as altas temperaturas: julho e agosto são os meses mais quentes do ano e os com maior número de turistas, o que também significa filas maiores. Além disso, o oitavo mês é também época de férias coletivas, quando todos os parisienses escapam da cidade.

Já durante as férias de inverno, entre final de dezembro e fevereiro, as tarifas de hotel são as mais baixas e há um clima aconchegante no ar, com as luzes e festividades de Natal e Ano Novo. Algumas atrações não abrem durante as festas de final de ano. Além disso, os dias são mais curtos e é necessário investir um pouco mais nas roupas de frio.

Quanto tempo ficar

Paris é melhor a cada visita. Para conhecer todos os cartões postais, você precisa, no mínimo dos mínimos, 3 dias. Se quiser conhecer os principais atrativos, considere 5 dias. Idealmente uma semana, vai.

Uma alternativa pra quem realmente tem poucos dias é usar os ônibus turísticos hop-on hop-off, que servem para uma apresentação rápida da cidade.

A sensação que tive foi que, mesmo andando, visitando e aproveitando cada segundo, sempre faltará algo a conhecer. E não é ruim ter uma desculpa para sempre voltar, não é mesmo?

 

Visto e Documentos

A França não exige visto de brasileiros que estarão em seu território por menos de 90 dias.  O seu passaporte, no entanto, deve ter uma validade mínima de 3 meses da data de entrada no país. Além disso, é importante seguir outras recomendações:

  • Ter passagem de volta para o Brasil comprada;
  • Seguro viagem com cobertura no valor de €30.000;
  • Comprovante de acomodação;
  • Comprovante dos meios de subsistência: €65 por dia se for se hospedar em hotel ou €32,50 euros por dia se for se hospedar com algum conhecido.

Embora nem sempre sejam solicitados todos esses documentos na imigração, é bom tê-los no caso de qualquer eventualidade.