Entre curtir as fotos de lugares incríveis que aparecem no Instagram e conhecê-los, existe um oceano de planejamento de distância. Antes de tudo, é preciso saber se o destino cabe no orçamento das suas próximas férias – e há quem veja tanta dificuldade em calcular isso que encontra a sua solução na compra de pacotes prontos das agências de viagem, que nem sempre possuem o melhor preço.

Para fazer esse tipo de comparação e, eventualmente, montar o seu próprio roteiro, é preciso arregaçar as mangas, abrir a calculadora e se debruçar sobre o computador. Mas a tarefa está longe de ser difícil!

Calculadora e paciência são o ponto de partida para calcular quanto custa viajar

Raw Pixel, via Unsplash

Para nossa sorte, o que não faltam hoje em dia são sites que ajudam a estimar os gastos da sua próxima aventura pelo mundo. O Quanto Custa Viajar, por exemplo, faz uma previsão bem geralzona considerando passagem aérea, hospedagem, transporte, passeios e alimentação.

E a verdade é essa: é quase impossível calcular com exatidão quanto vai custar a sua viagem, mas ter uma noção já ajuda a não comprometer suas finanças. Por isso, elaboramos um passo a passo de como fazer um orçamento de viagem. Caso você se depare com algum câmbio estrangeiro, sugerimos usar o Oanda, que faz a conversão de 190 moedas diferentes.

 

1) DOCUMENTAÇÃO

Se a sua viagem for nacional ou para países que fazem parte do Mercosul, pode pular essa parte: é possível embarcar somente com o RG ou a CNH. Agora, se a viagem dos seus sonhos é internacional, é preciso ter um passaporte, cuja emissão custa em torno de R$ 250. Além disso, confira se o destino exige visto para brasileiros nesse site. Se a resposta for afirmativa, isso significa mais dinheiro saindo do bolso, já que os consulados dos países costumam cobrar uma taxa variável para emitir esse tipo de documento.

 

2) PASSAGEM AÉREA

Um dos itens mais importantes no cálculo dos gastos de viagem é a passagem aérea. Entrando nos sites de cada uma das companhias é possível ver os preços dos bilhetes no momento da pesquisa, mas saiba que eles tendem a variar bastante ao longo dos meses. Uma solução mais prática é utilizar ferramentas que comparam as opções de passagem de diferentes empresas em diferentes datas.

Quanto custa viajar: é preciso calcular gastos com passagem aérea, hoteis, transporte, alimentação e passeios

Raw Pixel, via Unsplash

Uma das minhas preferidas é a Momondo, que puxa os voos e os mostra em ordem de “mais barato”, “mais rápido” ou “melhor”. Com uma interface bonita e intuitiva, também indica os dias que o trecho pesquisado está mais barato. O Kayak, assim como outras empresas do tipo, tem um serviço de alerta para o seu e-mail caso a passagem desejada fique mais barata. O Voopter permite selecionar até quatro opções de datas de ida e quatro opções de datas de volta, para que você encontre a combinação mais econômica. E o Skyscanner, por fim, mostra qual é o mês mais barato para voar para o seu destino, além de um calendário com o preço dos voos em cada dia.

 

3) HOSPEDAGEM

A hospedagem escolhida pode fazer toda a diferença no orçamento da viagem. A opção mais econômica costumam ser os quartos compartilhados ou privativos dos hostels. O site Hostelworld encontra e mostra os preços de diferentes alojamentos. É importante ter em mente que os albergues costumam ser frequentados por um público mais jovem, que está interessado em fazer amigos e socializar (e economizar, é claro!).

Se você quiser um pouco mais de privacidade, é melhor optar por hotéis convencionais. Nesse caso, a dica para encontrar o melhor valor é utilizar o Booking ou o Hotel Urbano. Ambos têm negociações com milhares de hotéis espalhados pelo mundo. Mas como saber se aquele quarto baratinho não é uma cilada? Simples: leia bem as avaliações do estabelecimento nesses próprios sites e também no Tripadvisor, que reúne comentários de outros clientes, e no Oyster, com resenhas de especialistas.

Outra opção, que pode ser especialmente vantajosa se você estiver viajando com um grupo grande, é alugar uma casa ou apartamento. Sites como o Airbnb e o Alugue Temporada são especialistas nisso, e algumas propriedades podem sair até mais baratas do que hotéis. Só lembre-se que, nesse caso, você mesmo terá que arrumar o quarto e fazer o seu café da manhã. Os sites disponibilizam as avaliações de outros hóspedes para você se certificar de que a casa está bem conservada, tem água quente, ar condicionado…

 

4) PASSEIOS

Fazer um roteiro detalhado auxilia a calcular quanto custa viajar para determinado destino

Chris Lawton, via Unsplash

Essa pode ser a parte mais trabalhosa do seu orçamento. Afinal, tudo depende dos seus gostos e do tempo que você tem disponível na cidade. Primeiro, pesquise bem e anote tudo que você mais deseja conhecer.

 

  • Isso é importante para poder montar não apenas o seu orçamento como também o seu roteiro de viagem.

 

Se o seu perfil for mais descolado e você se virar bem em outras línguas, elabore seus próprios roteiros no Google Maps e entre nos sites dos museus e demais atrativos para ver os valores dos ingressos. Mas também há casos em que vale a pena – ou que é necessário – fazer passeios guiados. É nesse momento que muitos viajantes se desesperam e acabam terceirizando o planejamento da viagem.

Não há motivo para isso. Hoje em dia, já existem sites que vendem passeios online avulsos, para você comprar ainda aqui no Brasil e embarcar com tudo certinho. O site Get Your Guide tem city tours e os passeios mais procurados nas principais cidades do mundo. Já a seção de Experiências do Airbnb oferece mais do que os tours básicos: atividades com moradores locais, aulas de gastronomia regional, esportes radicais em cenários singulares…

 

5) TRANSPORTE

Outro gasto bastante variável no planejamento da viagem é o transporte. Caso o seu roteiro inclua mais de uma cidade, vale a pena abrir novamente o Google Maps para ver quais são as possibilidades de locomoção de um ponto ao outro. O site Rome2Rio também ajuda nessa tarefa, comparando os preços de trem, ônibus, barco, avião… Funciona de forma semelhante o GoEuro, que é focado só em destinos de países europeus. Assim você já define se o melhor custo benefício é se locomover sobre trilhos, pela estrada ou pelos ares.

Também existe a possibilidade de andar por aí de carro. Nesse caso, use o site Rentcars, que compara preços de diferentes locadoras, e lembre-se de considerar os gastos com gasolina. O Numbeo, banco de dados que levanta o custo de vida em vários lugares do planeta, informa o valor do litro. O Uber também já está presente em várias cidades mundo a fora e pode quebrar um galho na hora de ir do aeroporto para o hotel, por exemplo. É possível estimar quanto vai custar a sua corrida aqui.

Agora, se a ideia for utilizar o transporte público, acesse novamente o Numbeo. Entre outros dados, eles também mostram o preço dos bilhetes de ônibus e metrô e até dos passes mensais.

 

Para saber quanto custa viajar para determinado destino, é importante saber a moeda e o câmbio local

Jane B, via Pixabay

6) ALIMENTAÇÃO

A não ser que você fique hospedado em um resort com todas as refeições incluídas, esse é um gasto bem expressivo, e um tanto difícil de prever com exatidão. Dá para fazer uma estimativa utilizando, mais uma vez, o Numbeo e o Quanto Custa Viajar, que costumam dar uma média do valor de uma refeição em um restaurante simples.

Pode ser também que você esteja atrás de experiências gourmet ou saiba exatamente o que quer comer. Para isso, existe o site Foursquare, com o cardápio de vários restaurantes.

Uma dica para economizar e, ao mesmo tempo, ter uma experiência local, é ir ao mercado e comprar ingredientes para fazer a sua própria comida – o que fica mais fácil se você estiver hospedado num hostel ou num imóvel alugado. Além de conhecer os hábitos alimentares do lugar, você provavelmente fará uma refeição mais saudável e econômica que a de um restaurante. Outra opção é se jogar nas comidas de rua.

 

7) SEGURO DE VIAGEM

Ao se perguntar quanto custa uma viagem internacional, muita gente acaba esquecendo que para esse tipo de aventura é importante contratar um seguro viagem. É normal que enquanto estamos tirando um sonho do papel, nem passe pela nossa cabeça que imprevistos e acidentes podem acontecer. Mas fica aqui o aviso: caso você precise de atendimento médico, tenha a mala extraviada ou seja roubado no exterior, o seguro vai fazer você economizar muito dinheiro!

Adquirir um seguro viagem é relativamente fácil. Ao comprar a passagem aérea com o cartão de crédito, muitas bandeiras dão direito ao seguro viagem, então consulte o seu banco. Se você não tiver essa vantagem, dá para fazer cotações diretamente na Assist Card ou na World Nomads, duas empresas do ramo. Mas nessa categoria de serviço também existem sites que comparam os preços, como a Seguros Promo.

 

  • Para mais informações, leia o nosso post completo sobre o que é importante considerar ao escolher um seguro viagem.

 

E aí, já está se sentindo preparado para orçar a sua própria viagem? Essa autonomia vai fazer toda diferença na hora de realizar o sonho de conhecer aquele lugar especial.

 

 

Conta aqui nos comentários qual é o seu próximo destino!

E se você gostou desse artigo, não deixe de SALVAR ESSE PIN NO PINTEREST: